O guia definitivo da renda fixa: tudo que você precisa saber

Encontre todas as informações sobre renda fixa reunidas em um único post e acabe com suas dúvidas agora!

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 29/08/2020 às 17h00

O guia definitivo da renda fixa: tudo que você precisa saber

Você já deve ter ouvido falar em renda fixa. A categoria é popular entre os investidores brasileiros, principalmente os iniciantes ou conservadores, por proporcionar segurança. Apesar da popularidade da modalidade, ainda existem muitas dúvidas sobre. O que é, na verdade, renda fixa? Ainda vale a pena investir em 2020? Como e por onde começar?

Foi pensando nessas e outras dúvidas dos investidores que a Akeloo preparou esse guia definitivo com tudo que você precisa saber sobre renda fixa. Nesse artigo você vai aprender: 

  • o que é renda fixa
  • por que ela é tão popular?
  • renda fixa x renda variável
  • remuneração 
  • é seguro investir em renda fixa?
  • quais são os custos e taxas
  • vantagens x desvantagens de investir
  • quais são os principais ativos
  • ainda vale a pena investir em renda fixa?
  • como e por onde começar a investir 

O conteúdo é extenso e preparado para aqueles que querem investir bem e com segurança. É o seu caso? Então se prepare para começar a aprender. Se necessário, volte a esse post quando tiver dúvidas. Ele está aqui para lhe auxiliar na sua jornada pelos investimentos. Boa leitura!  

O que é renda fixa?

Vamos começar do início! Os títulos de renda fixa são investimentos onde, ao contrário da renda variável, a rentabilidade nominal é conhecida previamente, com taxa de retorno acordada no momento da aplicação

Investir em um título de renda fixa, é, basicamente, emprestar dinheiro a alguém (geralmente ao governo, mas pode ser também para bancos e empresas). Após o prazo de empréstimo, quem compra o título recebe de volta o dinheiro emprestado acrescido de juros e diminuído de taxas negociadas previamente. 

O dinheiro que você emprestou é utilizado para o pagamento de dívidas ou desenvolvimento de projetos públicos ou privados (depende da origem do título. O Tesouro Direto, por exemplo, é público, enquanto o CDB é privado – explicaremos melhor depois). Ou seja, ao investir em um título público, o que você está fazendo é emprestar dinheiro para financiamento de projetos (seja em saúde, educação, infraestrutura e outros) ou pagamento da dívida pública. Interessante, não?

Por que a renda fixa é tão popular?

A renda fixa é a queridinha de milhares de brasileiros, principalmente os conservadores. Mas por que ela é tão popular? É por que é a melhor?

A renda fixa não é necessariamente a melhor opção para você. Tudo vai depender do seu perfil de investidor , dos seus objetivos, do montante investido e em quanto tempo você espera sacar seu dinheiro. 

A renda fixa é, entretanto, muito popular. Isso acontece principalmente por dois motivos: ser segura (grande parte dos investimentos são protegidas pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito) e  ter a rentabilidade previamente acordada. Além disso, o montante inicial pode ser mais baixo – no Tesouro Direto é possível começar com R$30. 

Dessa maneira, o brasileiro se sente seguro para alocar seu dinheiro. Ainda há, da parte dos brasileiros, muito receio em investir, e grande parte dos investidores prefere investimentos considerados mais seguros e tradicionais.

Não à toa, de acordo com pesquisa da Anbima feita em 2018, 88% dos brasileiros ainda investe na poupança. 

Fonte: Anbima

A renda fixa tem, sim, seus motivos para popularidade. Mas você sabe quais são as diferenças dela para a sua irmã de modalidade, a renda variável?

Renda fixa x renda variável 

Como explicamos acima, os títulos de renda fixa são títulos com taxa de rentabilidade previamente acordada. Já os ativos de renda variável não tem retorno prévio conhecido. 

Essas, entretanto, não são as únicas diferenças entre eles. Ativos de renda variável costumam ter rentabilidade maior, mas são, em compensação, mais arriscados. 

Outra coisa que muda é o destino do seu dinheiro. Investir em renda fixa é emprestar seu dinheiro. Já ao investir em renda variável você está se tornando sócio de algo – investir em ações, por exemplo, é se tornar sócio de uma determinada empresa. 

Confira o comparativo abaixo e entenda de uma vez por todas as diferenças entre renda fixa e renda variável. 

akeloo infografico

Como funciona a remuneração na renda fixa?

Agora que você já sabe quais são as diferenças entre renda fixa e renda variável, saiba: títulos de renda fixa não são todos iguais, mesmo na remuneração. O cálculo das rentabilidades é diferente, de acordo com o tipo de título. Confira quais são eles:

1. Prefixados 

Os títulos de renda fixa prefixados são aqueles em que você sabe exatamente qual será a rentabilidade ao final do tempo previsto para o resgate. Eles não possuem nenhum indexador acompanhando, e se apresentam com a taxa de rentabilidade ao ano (exemplo: 4% ao ano). Isso significa que os juros são fixos e pré estabelecidos. 

2. Pós fixados 

Nesse caso, não é possível saber a rentabilidade previamente. Não, você não está enganado! Os pós fixados continuam sendo títulos de renda fixa, mas estão atrelados a indicadores externos (índices de correção) que são variáveis. Ou seja, na prática, você não sabe quanto ganha ao final do prazo. 

Os principais indicadores externos possíveis de serem atrelados são a SELIC, o IPCA ou o CDI. Saiba um pouco sobre eles: 

  • Taxa Selic

O termo Selic significa “Sistema Especial de liquidação de custódia”. A Taxa Selic é a taxa básica de juros do Brasil, e é definida pela COPOM (Comitê de Política Monetária). A taxa tem sofrido sucessivas quedas. Em 2018 a taxa fechou em 6,25%, enquanto em maio de 2020 a taxa já estava em 3%. Com as quedas na Selic, investimentos atrelados à essa taxa perdem em rendimento.

  • IPCA 

O IPCA é o Índice de Preços ao Consumidor e é o termômetro oficial da inflação. Esse índice é medido mensalmente pelo IBGE para determinar a variação dos preços no comércio. O índice também afeta os resultados dos investimentos. 

  • CDI 

O CDI é Certificado de Depósito Interbancário e é basicamente a taxa que lastreia os empréstimos entre bancos. O objetivo dos bancos é regularizar o capital diário. A taxa também regula o desempenho dos investimentos em renda fixa. 

O que é melhor: renda fixa pré ou pós fixada? 

Depende. Títulos de renda prefixada costumam ser um pouco menos seguros, e caso a rentabilidade acordada seja menor do que a inflação, perde-se dinheiro, enquanto títulos pós fixados, por estarem atrelados à índices de mercado, estão protegidos da inflação. Mas em um momento de queda de juros os títulos pós fixados podem performar melhor. 

Dica Akeloo: para escolher entre uma opção ou outra, atente-se na inflação e nas outras principais taxas atreladas aos rendimentos de renda fixa. Se a inflação tende a cair, é mais recomendável investir na renda fixa prefixada. Se tende a subir, a melhor ideia é apostar na renda fixa pós fixada. 

3. Híbridos 

Existe ainda outra opção. São os títulos híbridos, que mesclam características dos pré e pós fixados. Nesse caso, eles pagam uma taxa prefixada mais remuneração atrelada à um indicador. 

É seguro investir em renda fixa?

Falamos até aqui que os títulos de renda fixa são muito populares entre os investidores, principalmente por serem seguros. Mas eles são seguros mesmo? É possível perder dinheiro investindo neles? Afinal, é seguro investir em renda fixa?

A primeira coisa que você precisa saber é que é sim, possível perder dinheiro investido em renda fixa. Por exemplo, caso você aposte num título com rendimento menor do que a da inflação, na prática está perdendo dinheiro, porque está perdendo poder de compra. 

Além disso, investindo em renda fixa você também corre risco de liquidez, já que alguns ativos têm liquidez mais baixa. Outro risco é o de crédito – você já se preocupou em levar um calote da intermediária financeira? 

Quanto a isso, não se preocupe. O FGC – Fundo Garantidor de Crédito protege até R$250 mil por CPF, limitado a quatro instituições financeiras (ou seja, o total do montante protegido chega a R$1 milhão). Dica Akeloo: se seus investimentos ultrapassarem R$250 mil, aloque parte dos recursos em outra corretora, para garantir a proteção.

Já deu para perceber que investir, mesmo em renda fixa, tem risco, não é? Mas, no geral, esses ativos são muito seguros. Só fique atento para taxas e prazos para não perder poder de compra. Se possível, escolha sempre títulos com nota de risco de crédito altos. 

Quais são os custos e taxas para investir em renda fixa?

Investir tem custos e com a renda fixa não seria diferente. O primeiro custo a se atentar é o cobrado pela sua corretora. Verifique quais são os tipos de taxas cobradas e compare as taxas com o serviço oferecido para ver se compensam.

Outro custo é o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Esse imposto é cobrado apenas nos 30 dias iniciais da aplicação financeira. Se você sacar o dinheiro investido antes dos primeiros 30 dias, pagará IOF. O IOF pode ser regressivo. Confira a tabela dos custos do Imposto sobre Operações Financeiras: 

IOF

Outro custo a se pagar é a tributação do Imposto de Renda. Quanto mais tempo investido, menos Imposto se paga sobre os lucros. Confira a tabela regressiva da alíquota do IR cobrada: 

IR

Investimentos em renda fixa isentos de tributação

Dica Akeloo: alguns investimentos em renda fixa estão isentos da tributação do Imposto de Renda. Confira alguns deles:

  • LCA 
  • LCI
  • CRI
  • CRA
  • Debêntures incentivadas 

Vantagens x desvantagens

Antes de escolher um investimento, saiba quais são as vantagens e desvantagens de cada um deles. Conheça quais são elas! 

Vantagens 

  • Segurança
  • Estabilidade (os retornos são estáveis)
  • Facilidade
  • Acessibilidade (é possível investir com pouco dinheiro)
  • Alguns investimentos contam com isenção de impostos
  • Ótimos para alocar reserva de emergência

Desvantagens

  • Taxas
  • Rentabilidade menor do que em renda variável
  • Prazo de carência pode ser alto

Quais são os principais ativos de renda fixa? 

Você já percorreu um longo caminho até aqui e já sabe bastante sobre o assunto! Pode estar se convencendo que a renda fixa é a melhor modalidade para você ou percebendo que ela não faz muito o seu estilo. Mas você ainda não sabe quais são os principais títulos de renda fixa e o que eles significam. Vamos a eles?

1. CDB

Os CDB’s são Certificados de Depósitos Bancários emitidos pelos bancos. A taxa de rentabilidade desses ativos costuma estar atrelada ao CDI. O CDB é coberto pelo FGC.

2. Tesouro Direto

O Tesouro Direto é uma das modalidades mais populares de renda fixa. É um título público utilizado para captação de recursos para desenvolvimento de projetos governamentais. Ele pode ser:

  • atrelado à inflação (Tesouro IPCA) 
  • prefixado (Tesouro Prefixado) 
  • indexado à Taxa Selic (Tesouro SELIC) 

3. LCI/LCA

A LCI é a Letra de Crédito Imobiliária e a LCA é a Letra de Crédito do Agronegócio são aplicações com a grande vantagem de serem isentas de Imposto de Renda. Na prática, você está investindo dinheiro para o setor imobiliário e para o setor do agronegócio. 

4. Debêntures

As debêntures são títulos privados, emitidos por empresas para pagamento de dívidas ou gerenciamento de projetos. As debêntures, entretanto, não são protegidas pelo FGC. Existem também as debêntures incentivadas, em que o governo oferece isenção de tributos. 

5. Letras de Câmbio

As Letras de Câmbio funcionam como os CDB’s, porém são emitidas por instituições financeiras de menor porte. O investimento é protegido pelo FGC. 

6. CRI/CRA 

O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) e o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) são investimentos para investidores de perfil arrojado, já que tem maior risco do que as outras opções do setor. Consistem em títulos emitidos por securitizadoras que financiam os mercados imobiliário e agronegócio. 

Ainda vale a pena investir em renda fixa?

Em 2019 e em 2020 o mercado viu a Taxa Selic, principal taxa atrelada à investimentos de renda fixa, cair sucessivamente. Em maio de 2020, a taxa chegou a 3%. Nesse cenário, fica a dúvida: ainda vale a pena investir em renda fixa? O que fazer?

A primeira coisa que você tem que ter em mente é que não adianta nada migrar para a Bolsa de Valores buscando rendimentos mais altos sem ter conhecimento do assunto ou sem nunca ter investido. Tomar atitudes impulsivas em momentos de crise é a maneira mais fácil de perder dinheiro. 

Saiba que, em um cenário desafiador, o arriscado é tomar decisões pouco embasadas ou embasadas superficialmente. Alguns especialistas recomendam o investimento na Bolsa de Valores, bem como em ativos internacionais. Outra ideia são os ativos de crédito privado. 

Mas, independente de qual seja a recomendação, a Dica Akeloo é pesquisar com atenção. Há muito tempo o mundo não vê um cenário tão extraordinário, não apenas nas finanças, mas em todos os setores. Por isso, aproveite o momento para estudar e resguardar seus ativos. Busque rentabilidade, mas não se exponha à muito risco apenas na ânsia de lucrar. É mais inteligente aquele que espera do que aquele que decide impulsivamente sem analisar todos os cenários possíveis. 

Como começar a investir?

Dito isso, é hora de pensar em investir. Como começar e por onde? O primeiro passo é buscar uma intermediária financeira, como as corretoras. Pesquise qual é a melhor opção para suas necessidades, avaliando serviço e taxas cobradas.

O segundo passo é ter em mente:

  • seu objetivo 
  • o montante investido
  • o tempo que pretende deixar investido
  • o risco que tolera correr

Com tudo isso em mente, fica mais fácil escolher o produto financeiro. Depois, é só transferir dinheiro para a sua corretora e comprar o ativo escolhido. 

Conclusão

A renda fixa pode ser uma excelente opção de investimento para você. Esperamos que, com esse guia da Akeloo você tenha aprendido o que é renda fixa e se sinta preparado para começar a investir. 

Se você tem alguma dúvida, fique à vontade para nos procurar no Instagram ou na caixa de comentários aqui embaixo. Estamos disponíveis para te ajudar!