O que são e como foram criados os Axiomas

Os Axiomas de Zurique são regras de investimentos e gestão de risco criadas em um clube de investidores suíços com o propósito de sempre se “apostar para ganhar”.

Foram desenvolvidos ao longo de anos, principalmente através das conversas e questionamentos entre Franz Heinrich, um banqueiro suíço e pai do autor, e seus amigos investidores. Uma lista de razões sobre as decisões tomadas eram anotadas e foram ganhando forma até chegar no formato atual.

O 1o Grande Axioma: DO RISCO – Preocupação não é doença, mas sinal de saúde. Se você não está preocupado, não está arriscando o bastante.

A maioria das pessoas agarra-se à segurança como se fosse a coisa mais importante do mundo. Libertar-se de preocupações pode ser bom em certo sentido, mas se for seu principal objetivo você nunca será rico. E vai morrer de tédio. A aventura é que dá sabor à vida e a única maneira de vivê-la é expondo-se a riscos.  

1o Axioma menor: Só aposte o que vale a pena.

Só se deve “apostar” o que se pode perder. O mais importante é saber administrar os riscos para nunca se exceder na aposta e ficar fora do jogo.

2o Axioma menor: Resista à tentação das diversificações.

A diversificação, ao reduzir os riscos, reduz também o potencial de ganho. Além disso, gera mais trabalho e demanda mais tempo em estudar os vários ativos.

O 2o Grande Axioma: DA GANÂNCIA – Realize o lucro sempre cedo demais.

A demora em sair de uma posição vencedora, normalmente leva a perdas iminentes e deve-se à ganância. Passa-se do ponto de uma intenção legítima de obter lucro para uma perda do autocontrole em desejar mais do que o razoável. 

3o Axioma menor: Entre no negócio sabendo quanto quer ganhar; quando chegar lá caia fora.

Para evitar a armadilha da ganância, o ideal é estabelecer onde se quer chegar antes de começar.

O 3o Grande Axioma: DA ESPERANÇA – Quando o barco começar a afundar, não reze. Abandone-o.

Saber parar é fundamental não só quando as coisas vão bem (2o. Grande Axioma) mas também quando vão mal. Saber sair de uma situação complicada, por exigir extrema coragem, honestidade, disciplina e humildade é provavelmente a habilidade mais importante e que diferencia os especuladores.

Assim como deve-se determinar o alvo em operações vencedoras, deve-se adotar o limite de perda para as perdedoras. 

 O 4o Axioma menor: Aceite as pequenas perdas com um sorriso, como fatos da vida. Conte incorrer em várias, enquanto espera um grande ganho.

Todo pequeno prejuízo gera muita dor, mas, teoricamente, deveríamos agradecer as pequenas perdas por nos proteger das grandes. Uma boa maneira de lidar com elas é mudar a perspectiva e considerá-las como um custo natural dos grandes ganhos.

O 4o Grande Axioma: DAS PREVISÕES – O comportamento do ser humano não é previsível. Desconfio de quem afirmar que conhece uma nesga que seja do futuro.

Inúmeras foram as previsões feitas enfaticamente por sábios, gurus, agentes do mercado e mídia que não se realizaram. O conhecimento do futuro é um dos mais ambicionados objetivos do ser humano mas também impossível de se conseguir.

O mercado é formado pelas expectativas e emoções das pessoas que, por sua vez, são imprevisíveis por natureza.

O especulador de sucesso não se baseia no que vai acontecer mas reage ao que de fato aconteceu. Toma suas decisões com expectativas futuras mas, ancorado no presente.

O 5o Grande Axioma: DOS PADRÕES – Até começar a parecer ordem, o caos não é perigoso.

Acreditar em padrões nos assuntos que envolvem pessoas, inclusive finanças, é assumir alto risco. Todos estão atrás de uma fórmula de riqueza baseada em padrões, que não existe porque o mundo do dinheiro é desordenado e caótico. Qualquer aconselhamento de especialista que enxergar algo no panorama financeiro que não seja o caos deve ser descartado. A verdade é que a sorte, isoladamente, é o dado mais poderoso no sucesso ou fracasso de qualquer especulação.

 O 5o Axioma menor: Cuidado com a Armadilha do Historiador.

Acreditar que a história se repete é acreditar em previsões. É uma armadilha muito comum na assessoria financeira. A verdade é que a história sempre pode ou não se repetir.

 O 6o Axioma menor: Cuidado com a Ilusão do Grafista.

A Ilusão do Grafista é apenas uma extensão gráfica da Armadilha do Historiador.

 O 7o Axioma menor: Cuidado com a Ilusão de Correlação e a Ilusão de Causalidade.

Mesmo as mentes mais racionais, por estarem sempre buscando ordem nas coisas,  percebem relações de causa e efeito onde não existem. Isso nos deixa vulneráveis em nossas especulações.

 O 8o Axioma menor: Cuidado com a Falácia do Jogador.

Acreditar que estamos no nosso “dia de sorte” nada mais é do que um estado mental de euforia sobre as expectativas. Como outras ilusões, parece verdade à sua maneira torta e nos faz apostar mais do que o devido, correndo riscos excessivos.

O 8o Grande Axioma: DA MOBILIDADE – Evite lançar raízes. Tolhem seus investimentos.

O vínculo afetivo pode ser um grande inimigo do especulador. Não se deve tomar decisões financeiras simplesmente baseadas no que é conhecido e confortável.

 O 9o Axioma menor: Numa operação que não deu certo, não se deixe apanhar por sentimentos como lealdade ou saudade.

Pode-se ilustrar esse Axioma com o exemplo de um imóvel, em um contexto com muitos sinais de decadência, mas ainda com um bom valor de mercado, que não é negociado pelo apego dos proprietários.  

 O 10o Axioma menor: Jamais hesite em sair de um negócio se algo mais atraente aparecer à sua frente.

O apego às coisas que possuímos é adversário do nosso objetivo de ganhar dinheiro. Por prejudicar a mobilidade quando as circunstâncias exigem, diminui demais a eficiência do especulador. Tempo e oportunidades são perdidos devido a essa fraqueza.

O 7o Grande Axioma: DA INTUICÃO – Só se pode confiar num palpite que possa ser explicado.

Um palpite é parte de uma sensação, um pedaço de algo que não chega a ser conhecimento e não nos deixa totalmente confiantes. Como estamos submetidos a palpites e intuições constantemente, o que devemos fazer é nos perguntar se temos algum conhecimento sobre o objeto do nosso palpite.

Por exemplo, se temos um palpite sobre um investimento imobiliário específico, devemos nos perguntar qual nível de nosso conhecimento sobre o assunto. Se for nulo, devemos descartar o palpite. 

 O 11o Axioma menor: Jamais confunda palpite com esperança.

Nosso desejo intenso impacta nossa crença. Nosso desejo de ganhar dinheiro pode nos fazer acreditar em péssimos investimentos. O antídoto a ser adotado é sempre olhar as possibilidades com alta dose de ceticismo.

O 8o Grande Axioma: DA RELIGIÃO E DO OCULTISMO – É improvável que entre os desígnios de Deus para o Universo se inclua o de fazer você ficar rico.

Apoiar-se no sobrenatural tem o mesmo efeito que apoiar-se em previsões ou em ilusões de ordem. Tem a capacidade de deixá-lo em um estado perigosamente despreocupado. Deus pode fazer muito por nós mas sua prioridade não é fazer-nos ricos.

 O 12o Axioma menor: Se a astrologia funcionasse, todos os astrólogos seriam ricos.

Até um relógio quebrado está certo duas vezes ao dia. Acreditar em “acertos” adivinhatórios é desconsiderar a realidade.

 O 13o Axioma menor: Não é preciso exorcizar uma superstição. Podemos curti-la, desde que ela conheça o seu lugar.

Existe apenas um modo e um tempo certo para permitir a superstição em nossa vida financeira: o modo é rindo e o tempo certo é em situações em que a razão não se aplica, como nos jogos lotéricos. É questão de relaxar e não levar a sério.

O 9o Grande Axioma: DO OTIMISMO E DO PESSIMISMO – Otimismo significa esperar o melhor, mas confiança significa como se lidará com o pior. Jamais faça uma jogada por otimismo apenas.

A sensação produzida pelo otimismo é boa e daí ele ser tão traiçoeiro.

O apostador profissional não tem otimismo e sim uma confiança que nasce do uso construtivo do pessimismo. 

O 10o Grande Axioma: DO OTIMISMO E DO PESSIMISMO – Fuja da opinião da maioria. Provavelmente está errada.

Na cultura ocidental democrática, tendemos a aceitar sem crítica a opinião da maioria. Porém, o fato é que as respostas corretas às questões, assim como as descobertas, são encontradas por poucos e não por muitos. Por acreditar na maioria é que a maioria das pessoas não é rica.

 O 14o Axioma menor: Jamais embarque nas especulações da moda. Com frequência, a melhor hora de se comprar alguma coisa é quando ninguém a quer.

O maior obstáculo para se comprar na baixa e vender na alta é ter que ir contra a opinião da maioria. Não se deve ir automaticamente contra nem a favor da manada e sim estudar caso a caso.

O 11o Grande Axioma: DA TEIMOSIA – Se não deu certo da primeira vez, esqueça.

Sendo as razões da perseverança emocionais e difíceis de explicar, é preciso ter muito cuidado com ela pois, muitas vezes não é confiável.

 O 15o Axioma menor: Jamais tente salvar um mau investimento fazendo preço médio.

Fazer preço médio é uma das mais tentadoras armadilhas dos investimentos, mas, como na roleta, funciona às vezes, por sorte. É colocar dinheiro novo no negócio para o dinheiro velho parecer menos idiota.

O 12o Grande Axioma: DO PLANEJAMENTO – Planejamentos a longo prazo geram a perigosa crença de que o futuro está sob controle. É importante jamais levar muito a sério os seus planos a longo prazo, nem os de quem quer que seja. 

No que se refere a dinheiro, tudo o que se precisa, em matéria de planejamento a longo prazo, é da intenção de ficar rico. Devemos reagir aos fatos à medida que forem surgindo no presente. Aproveitar as oportunidades e fugir dos perigos.

 O 16o Axioma menor: Fuja de investimentos de longo prazo.

Investir a longo prazo pode ser sinal de preguiça e covardia.

O dinheiro perdido em especulações de curto prazo pode ser uma ninharia em comparação ao capital investido durante muito tempo num negócio ruim.

Apostar no amanhã é um risco, apostar em vinte ou trinta anos é loucura total. É assim que se pode resumir o que o investimento em longo prazo consiste.