Quero ser Akeloo

Contrato futuro: um guia para desmistificar esse tipo de investimento

Apesar de parecer complicado, investir em contratos futuros pode ser uma forma de diversificar os seus investimentos e ainda lucrar com isso.

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 9/10/2020 às 9h00

Contrato futuro: um guia para desmistificar esse tipo de investimento

Contratos futuros são uma modalidade de investimento que geralmente traz muitas dúvidas, até mesmo aos investidores mais experientes. Apesar de parecer complicada à primeira vista, esse tipo de operação nada mais é do que um contrato de compra e venda entre dois investidores com um preço pré-definido e acordado entre eles.

Esse investimento acontece dentro do Mercado Futuro e permite a obtenção de lucro tanto com a queda quanto com a valorização dos ativos. Devido à sua alta volatilidade, essa é considerada uma modalidade de renda variável de alto risco e por isso é extremamente necessário que o investidor entenda muito bem sobre o tema antes de decidir realizar qualquer aplicação financeira.

Justamente por isso preparamos esse guia, para você sanar todas as suas dúvidas em relação aos contratos futuros e decidir de uma vez por todas se esse é ou não o investimento para você.

Lendo você vai encontrar:

  • o que são contratos futuros e como eles funcionam;
  • o que é Mercado Futuro;
  • quais são os ativos dos contratos futuros e como negociá-los;
  • como começar a investir em contratos futuros;
  • como declarar os impostos de seus investimentos nesses contratos;
  • vale a pena operar neste mercado? 

Para responder essas dúvidas e entender muito mais sobre esse assunto, é só continuar lendo! 

Afinal, o que exatamente é um Contrato Futuro?

O Contrato Futuro é uma modalidade de contrato que surgiu muito antes da própria Bolsa de Valores, sendo ele empregado dentro do setor agrícola pela necessidade de administração de risco dentro desse setor. Em suma, o produtor fazia um contrato com um comprador para entrega e pagamento das commodities no futuro, com um preço acordado no momento da negociação. Isso protegia o vendedor da variação de preço de safras e entressafras, bem como de eventuais prejuízos na colheita,  e protegia o comprador de uma valorização expressiva do preço do produto até a data da compra. 

Hoje, esse tipo de contrato foi expandido também para ativos financeiros, sendo negociados na Bolsa de Valores e regulados pela B3, a Bolsa de Valores brasileira. Eles atuam como contratos derivativos de compra e venda e tem padronização e garantia de cumprimento dados pela B3 em todo o território nacional. Essa padronização é importante para evitar problemas na comercialização, caso a entrega seja física.

Mercado futuro: onde os contratos futuros são operados 

O mercado futuro é onde se operam os Contratos Futuros. Para investir nesse mercado, é preciso dispor de uma margem de garantia em dinheiro ou em bens como ativos, como ações, CDBs ou títulos públicos. Essa necessidade vem da possibilidade de variação negativa do mercado, que costuma oscilar de 3 a 16% positiva ou negativamente.

O mercado futuro se difere do mercado de ações principalmente pelo fato de que a Análise Fundamentalista não tem efeito algum dentro dos ativos de contratos nele operados. Apesar disso, a Análise Técnica pode ser utilizada, já que os efeitos de oferta e procura são semelhantes em ambos. Esses contratos também não rendem dividendos. 

Como funciona

Como o preço é definido no momento em que se firma o acordo, se os ativos se valorizarem até a data da entrega, o comprador obtém lucro. Por outro lado, se esses ativos se desvalorizarem, ele termina com um prejuízo que pode ser considerável.

A oscilação dos preços dentro do Mercado Futuro segue a do mercado à vista, de forma que se a Ibovespa subir, por exemplo, o preço dos ativos provavelmente acompanhará essa subida. Assim, os Contratos Futuros podem ser utilizados tanto para especulação (hedge) quanto para proteção.

Para ficar mais fácil, vamos dar um exemplo:

Imagine um contrato com 5 ativos que possuem o preço de R$1000, fechado no dia primeiro de outubro e com vencimento em novembro. Assim, o vendedor “entregará” o ativo para o comprador no final do prazo, independente do valor presente dele. 

Como o ativo não é físico, o que ocorre é uma liquidação financeira: se o ativo passa a valer, por exemplo, R$1200, o vendedor terá que vender o ativo a R$1000, mesmo que ele valha mais. Em termos financeiros, o comprador tem então um lucro de R$200, enquanto o vendedor tem um prejuízo também nesse valor.  

Em resumo: o investidor vendido, ou seja, que vende, tem lucro caso o mercado caia e o investidor comprado, ou seja, que compra, tem lucro caso o mercado suba. E vice versa.

Quais são os principais ativos negociados, os chamados ativos-objeto? 

Existem inúmeros produtos que podem ser negociados dentro dos Contratos do Futuro, eles são os chamados ativos-objeto. Cada um deles tem peculiaridades específicas em relação ao lote mínimo, à cotação, à margem de garantia e ao vencimento. Os principais tipos de ativos-objeto estão descritos a seguir:

Dólar Futuro 

O contrato futuro de dólar oscila de acordo com a variação do dólar propriamente dito. Em termos práticos, o investidor negocia uma taxa de câmbio, reais por dólar, o que torna esse tipo de contrato muito utilizado para especulação. Assim, o investidor negocia a compra a um preço que ele acredita ser baixo esperando que o valor da moeda suba. 

O vencimento é no último dia de cada mês e o lote mínimo é de cinco contratos, sendo cada um deles no valor de US$ 50.000. A margem de garantia para fazer o investimento é de 13%, então para fazer o aporte o valor a ser desembolsado será de US$ 6.500 pelo lote.

Mini Dólar  

O mini contrato foi criado pensando principalmente no investidor pessoa física, que não procura realizar operações que envolvam quantias de dinheiro tão significativas.  O seu lote mínimo é de um contrato e consiste em US$ 10.000. Assim, o aporte necessário é consideravelmente menor, sendo de US$ 1.300. 

Índices

Índice Futuro Ibovespa

O  índice utilizado como parâmetro é o Ibovespa, de forma que o produto representa seus pontos de alta ou de baixa. O lote mínimo possui cinco contratos, sendo cada um deles equivalente a R$1 multiplicado pelos pontos do Ibovespa. O vencimento se dá nos meses pares, sempre na quarta feira mais próxima do dia 15. A margem é de 16%. 

Mini índice 

Tem o mesmo princípio de funcionamento que o Mini Dólar. Aqui, Cada lote mínimo possui um contrato, sendo cada um deles equivalente a R$0,20 multiplicado pelos pontos do Ibovespa.

S&P 500

Representa a oscilação das 500 maiores empresas dos Estados Unidos, o que o torna um dos índices mais importantes do mundo. Cada ponto desse índice vale US$ 50, ou seja, um contrato vale os US$ 50 multiplicados pela pontuação do dia. Sua margem de garantia é de 12%.

Commodities 

commodites

Fonte: Jornal O Estado MS

Os Contratos Futuros de commodities tem três produtos como base, o milho, o café arábica e o boi gordo, com funcionamentos específicos:

  • Milho – o contrato do milho equivale a 450 sacas de 60 kg ou 27 toneladas. O vencimento é no 15º dia útil e é necessário pelo menos 7% do valor total para investir neste contrato.
  • Café Arábica – o contrato equivale a 100 sacas de 60 kg de café, exatamente 6 toneladas. A saca é comercializada em dólar então o valor final é baseado no preço da saca em si e também na cotação do dólar. A garantia é de 10% e o vencimento ocorre no 6º dia útil anterior ao último dia útil nos meses de março, maio, julho, setembro e dezembro.
  • Boi Gordo – o lote mínimo é de um contrato, que representa 330 arrobas de carne bovina (4.950 kg). O vencimento é no último dia útil do mês e a garantia necessária é de 4%.

Depósitos Interfinanceiros (DI) 

O contrato futuro de DIs se baseia nos juros, de forma que o compromisso é firmado com base na taxa de juros esperada na data de vencimento. 

Ouro

Funciona como uma commodity mineral, mas cada contrato futuro estabelece um acordo de compra e venda de 250 gramas de ouro fino.

Como são os ativos dos contratos futuros? 

Os ativos ativos são nomeados por códigos, formado pelas três letras que indicam o tipo de Contrato Futuro, como BGI ou IND, seguido de uma letra que indica o mês de vencimento do contrato e, por fim, um número que representa o ano do produto, como 18. Confira alguns exemplos:

Códigos dos tipos de Contratos

Boi Gordo – BGI

Milho – CCM

Café Arábica – ICF

Índice S&P 500 – ISP

Dólar – DOL

Mini Dólar – WDO

índice Bovespa – IND

Mini-índice Bovespa – WIN

Juros DI – DI

Letras dos meses de vencimento

Janeiro – F

Fevereiro – G

Março – H

Abril – J

Maio – K

Junho – M

Julho – N

Agosto – Q

Setembro – U

Outubro – V

Novembro – X

Dezembro – Z

Então, se você deseja fazer um Contrato Futuro de Mini Dólar com o vencimento em outubro deste ano,por exemplo, o código a ser buscado seria: WDOV20.

Como começar a investir?

Por se tratar de operações realizadas dentro da bolsa, investir em Contratos Futuros é tão simples quanto investir em ações. Para tanto é necessário que você tenha conta em uma corretora de valores autorizada pelo Banco Central a operar na B3.

Então, basta buscar o produto em questão dentro do Home Broker da corretora e oferecer a margem de garantia através de um depósito em conta ou utilizando investimentos que você já possui. Depois, entre em contato com a equipe da corretora, informando que a margem já está disponível, e então informe o número de contratos e valor na janela de ordens.

Pronto! Agora basta ficar de olho nas oscilações.

Tributação de Contratos Futuros

A tributação é exatamente a mesma que o praticada dentro do mercado de ações:

  • Para investimentos de curtíssimo prazo (Day Trade), a alíquota é de 20%, com retenção de 1% na fonte;
  • Para investimentos de curto prazo (Swing Trade – inicia em um dia e termina em outro), a alíquota é de 15%, com retenção de  0,005% na fonte.

Dúvidas de como calcular o IR de seus investimentos? Então a  Akeloo é para você. Não deixe de conhecer a nossa Calculadora de Imposto de Renda Variável, feita para todas as modalidades de investimento. Nela você consegue:

  • Gerar suas DARF facilmente, calculando seus impostos descontando as taxas, corretagens, isenções e prejuízos anteriores de forma automática;
  • Otimizar os seus tributos e, assim, não pagar nem a mais nem a menos;
  • Reunir todas as informações necessárias para sua declaração anual de Imposto de Renda.

Vale a pena operar Contratos Futuros?

Operar no Mercado Futuro pode ser uma boa estratégia de investimento para aqueles que buscam um nicho que ofereça possibilidades de alta margem de lucro. As principais vantagens dos Contratos Futuros são:

  • diversificação – sendo um dos pilares de suporte do bom investidor, a diversificação da carteira é imprescindível e pode ser feita também por meio do investimento em Contratos Futuros.
  • alavancagem – como as operações necessitam apenas de uma margem investida e não do valor integral, você pode investir com um valor muito acima do que tem em conta, o que é chamado de operar alavancado. Por exemplo, suponhamos que você investiu alavancando em contratos futuros de commodities em um valor de R$50.000 e, encerrando a operação, vendeu por R$52.000. Logo, você não receberá os R$52.000, mas sim apenas os R$2.000 de lucro. Isso também acontece se o ativo apresentasse uma desvalorização. Nesse caso, você pagaria apenas R$2.000 e não o total.
  • flexibilidade – o mercado de Contrato Futuro permite a possibilidade de lucro mesmo com a queda do mercado. Diferentemente de ações, em que você ganha prevendo as tendências de alta, nesse outro mercado você pode lucrar vendendo na queda. 
  • liquidez – como o mercado opera com um volume enorme de dinheiro diariamente, você tem a possibilidade de entrar e sair dele diariamente. Caso queira zerar sua posição, basta vender os contratos, mesmo antes de seu vencimento.

Apesar de tantos benefícios, vale ressaltar que esse investimento é uma modalidade de alto risco, devendo ser preferencialmente reservado a investidores com o perfil mais arrojado, que saibam lidar com grandes oscilações e possibilidades de perdas. Além do risco de mercado em si, consideravelmente presente em qualquer investimento de renda variável, os riscos associados à alavancagem também são importantes, já que do mesmo jeito que operar alavancado aumenta as possibilidades de ganhos, há um aumento na chance de perdas. 

Outro fator que deve ser considerados são os riscos relacionados aos ajustes diários, que são feitos pela Bolsa. Caso haja um balanço negativo, você terá que arcar com esses prejuízos e por isso é imprescindível estar preparado para essa possibilidade.

Conclusão

Agora que você já sabe tudo sobre Contratos Futuros, é hora de decidir se esse investimento é ou não para você. E não se esqueça, o mais importante é sempre se manter fiel ao seu perfil de investidor e investir naquilo faz sentido para você e para seus objetivos financeiros. 

Portanto, seja para ficar por dentro do mundo dos investimentos ou para aprender ainda mais sobre universo, não deixe de conferir o nosso Instagram e ver tudo que a Akeloo tem para te oferecer!