Calculadora de IR em Bolsa
TESTE GRÁTIS
Início » Criptomoedas » Quais são as principais criptomoedas do mercado? Saiba como investir

Quais são as principais criptomoedas do mercado? Saiba como investir

Conheça as principais criptomoedas do mercado, saiba mais sobre a diferença entre elas e confira dicas para investir neste ativo

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 13/08/2021 às 17h25

Compartilhe

Quais são as principais criptomoedas do mercado? Saiba como investir

Você conhece as principais criptomoedas do mercado? A mais conhecida entre elas é o Bitcoin, famoso por conta dos casos de pessoas que ficaram milionárias após investir nesse ativo. O que muita gente não sabe é que existe uma série de outras criptomoedas disponíveis para investimento. 

Além do Bitcoin, as principais moedas digitais do mercado são: Ethereum, Tether, Ripple, Chainlink, Binance Coin, Litecoin, Cardano e Dogecoin. 

Todas elas operam como criptomoedas, ou seja, estão à margem do sistema financeiro tradicional. O grande atrativo delas é o retorno financeiro, já que possuem uma alta liquidez, mas o custo disso é o alto risco. Criptomoedas são ativos extremamente voláteis e não possuem a cobertura de governos ou bancos centrais.

Ficou curioso para saber mais sobre as principais criptomoedas do mercado? Neste texto você encontrará informações acerca de cada uma delas, dicas para negociá-las e muito mais:

  • O que são criptomoedas? 
  • Qual é a utilidade das criptomoedas? 
  • Quais são as principais criptomoedas do mercado? 

O que são criptomoedas?

Antes de conhecer cada uma das moedas digitais que listamos acima, é necessário que você saiba o que de fato são as criptomoedas.

Criptomoedas são um dinheiro digital não associado a governos ou autoridades monetárias. Por isso, as transações com elas são feitas exclusivamente pela internet

Ela fica armazenada em uma carteira digital e pode ser administrada em um computador pessoal ou até mesmo em um dispositivo móvel.

Essas moedas são representadas por linhas de código criptografadas — é daí que vem o prefixo “cripto” —, acessadas somente por meio de chaves individuais. 

A maioria das criptomoedas utiliza a tecnologia blockchain, que permite validar as transações por meio de uma rede de computadores descentralizada. Isso garante à elas segurança e privacidade.

Como as criptomoedas não são registradas por bancos ou governos, é muito mais difícil que elas sejam falsificadas.  

No entanto, esse tipo de ativo é completamente instável e seu valor é determinado pela lei de oferta e procura. Não é raro que o preço de uma criptomoeda varie mais de 100% em um único dia. 

Para realizar operações em criptomoedas, é necessário acessar uma crypto exchanges, espécie de corretora em que é possível comprar, vender ou investir nesse tipo de moeda.   

Qual é a utilidade das criptomoedas? 

Apesar de serem digitais, as criptomoedas têm a mesma utilidade que o dinheiro em espécie. Elas servem para compra e venda de bens e serviços. Aliás, algumas empresas já aceitam o pagamento de seus produtos em criptomoedas. 

Como não estão sob a tutela das instituições financeiras, as criptomoedas são livres de taxas cobradas por instituições financeiras e bancárias. Isso facilita a movimentação de grandes valores e permite que os donos das criptomoedas tenham mais liberdade para lidar com o próprio dinheiro.

Quais são as principais criptomoedas do mercado? 

Tudo sobre LCI e LCA

Agora que você já sabe o que são as criptomoedas, como usá-las e qual é a utilidade delas, chegou a hora de conhecer as principais do mercado. Antes de investir nesse tipo de ativo, é importante saber como elas operam e quais as características diferenciam cada uma.

Bitcoin

O Bitcoin é a criptomoeda mais negociada do mundo. Ao todo, sua capitalização de mercado acumula um valor maior que US$ 1 trilhão. 

Criado em 2008, ele surgiu com o intuito de substituir o dinheiro em espécie e acabar com a influência dos bancos na intermediação de operações financeiras. Com isso, o valor passou a ser determinado por usuários online. 

O interesse gerado em torno do Bitcoin se deve à quantidade de vezes em que a moeda atingiu valores extremamente altos. Por isso, ele costuma ser negociado em frações muito pequenas. 

Vale lembrar que, da mesma forma em que o Bitcoin possui um valor alto, a moeda é extremamente volátil, ou seja, a variação entre diferentes cotações pode ser grande e pode gerar prejuízo.

Ethereum

O Ethereum é a segunda maior criptomoeda em uso global. Criado em 2015, ele possui um market cap que representa um quarto da capitalização do Bitcoin – cerca de US$ 250,5 bilhões. 

A diferença entre os dois é que o Ethereum foi criado para funcionar como um ativo do mercado financeiro tradicional.

Por meio da plataforma oficial Ether, investidores podem negociar contratos inteligentes de Ethereum. Esses são autoexecutáveis por meio de protocolos digitais e irreversíveis. Dessa forma, o usuário tem acesso a empréstimos e seguros com a garantia de segurança blockchain, que evita fraudes. 

Tether

O Tether foi criado em 2014 com a proposta de ser uma criptomoeda de valor estável. Por isso, ele é atrelado a uma moeda física, que no caso é o dólar estadunidense. 

A capitalização de mercado do Tether é a sexta maior do mundo, em torno de US$ 48 bilhões. No início de 2021, a moeda chegou a ocupar o terceiro lugar no ranking das 10 maiores criptomoedas do mundo.

Ripple

O Ripple é uma criptomoeda utilizada pela plataforma de pagamentos de mesmo nome. 

Esse sistema permite a transferência de dinheiro em qualquer formato, seja em criptomoedas ou em moedas nacionais. 

Por meio de mediadores descentralizados, o Ripple atua como um banco que converte valores em diferentes moedas.

 Assim, ele não costuma funcionar como uma moeda de troca, mas sim como referência para transações dentro de sua própria plataforma. 

Chainlink

Criado em 2017, o Chainlink é uma plataforma blockchain pensada para simplificar o uso de contratos inteligentes. Ela é formada por um protocolo que facilita o acesso ao melhor desses contratos para aplicativos. 

Ele funciona com uma infraestrutura em cadeia. A partir de determinado ponto, ele sai desse sistema para coletar dados do mundo real que serão usados nos contratos. 

Assim, o Chainlink impede o problemas na transmissão de dados entre diferentes sistemas. Ele também consegue evitar a manipulação de informações que entram e saem dos bancos de dados.

Binance Coin

O Binance Coin também é uma das criptomoedas mais populares.Trata-se da moeda utilizada na Binance Exchange, bolsa de câmbio das criptomoedas. 

Quando surgiu, ele operava no mesmo código do Ethereum, mas foi desvinculado para servir como forma de pagamento de taxas na Binance Exchange. Ela é utilizada para negociar mais de 150 outras criptomoedas. 

Litecoin

O Litecoin é considerado uma espécie de derivado do Bitcoin. Criado em 2011, ele transmite e valida transações através de uma rede descentralizada. 

O que a diferencia do Bitcoin é a rapidez com que as transações são feitas. Outro diferencial é a sua popularidade; essa é uma criptomoeda bastante conhecida por usuários.

Cardano

O Cardano é uma criptomoeda recente que ainda tenta conquistar espaço no mercado. Criado em 2017, ele é o resultado de um projeto de se tornar a principal moeda do sistema financeiro global. 

Seu principal diferencial é a segurança das transações. O sistema de blockchain do Cardano é considerado mais sólido do que o do Ethereum e do Bitcoin. 

Dogecoin

O Dogecoin foi criado em 2013 como uma espécie de sátira do Bitcoin. Seu símbolo é uma foto viral de um cachorro da raça Shiba Inu – por isso o nome remete à “dog”, cachorro em inglês. A brincadeira ficou séria quando a criptomoeda viralizou e atraiu o interesse de usuários. 

Apesar do crescimento da moeda nos últimos anos, impulsionado por celebridades e empresários, o valor dela ainda é baixo. 

No entanto, ela chegou a registrar alta de 100% em um único dia após Elon Musk, CEO da Tesla Motors, publicar um tweet fazendo piada com a valorização da criptomoeda.

Conclusão

O mercado das criptomoedas ainda é um pouco inexplorado pelos investidores. Muita gente não entende do que se trata ou sequer sabe que ele existe. A solução para isso é buscar conhecimento para investir certo em um mercado que pode render uma alta liquidez. 

Antes de tudo, é preciso saber que as criptomoedas não são de outro mundo; na verdade, elas operam igual o dinheiro em espécie. O que as diferencia é o fato delas não estarem associadas a um sistema financeiro tradicional e isso traz riscos e garantias. Tenha isso em mente quando você for se aventurar no universo das moedas digitais. 

Agora que você já sabe quais são as principais criptomoedas, saiba como investir em bitcoins e outras criptomoedas nesse texto que produzimos sobre o assunto.

Receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail

Não se preocupe, não enviamos spam.

Compartilhe

  • investimentos aposentadoria

Investimentos para aposentadoria: conheça os melhores

Investir para a sua aposentadoria exige um bom planejamento e escolhas corretas para ter rentabilidade no longo prazo com segurança. Aprenda quais são as melhores opções para construir uma estratégia para um futuro sem preocupações financeiras.