Calculadora de IR em Bolsa
TESTE GRÁTIS
Início » Renda Variável » OPA: Descubra como funciona uma oferta pública de aquisições

OPA: Descubra como funciona uma oferta pública de aquisições

Ao contrário do que acontece no IPO, em uma OPA a empresa fecha seu capital na bolsa de valores. Entenda porquê isso acontece e como o acionista deve proceder neste caso

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 5/01/2021 às 17h00

Compartilhe

OPA: Descubra como funciona uma oferta pública de aquisições

Sabemos que o mercado de renda variável possui diversas siglas diferentes, o que pode confundir o investidor que está começando a se aventurar no mundo dos investimentos. 

Dica Akeloo: ainda se perde em tantos conceitos sobre investimentos? Confira nosso glossário de investimentos e tire todas as suas dúvidas! Aproveita e já salva o glossário nos seus favoritos para consultar sempre que surgir alguma dúvida, combinado? 

COE - certificado de ações estruturadas

Uma dessas siglas é OPA, que significa Oferta Pública de Aquisição. Ao fazer uma OPA, a empresa demonstra interesse, por diversos motivos, de fechar seu capital na bolsa de valores

Para entender tudo sobre uma OPA é só continuar a leitura. Neste texto você vai aprender mais sobre: 

  • O que significa OPA? Qual é a diferença entre OPA e IPO?
  • Como funciona uma OPA?
  • Tipos de OPA’S: as obrigatórias e as voluntárias
  • O que leva uma empresa a fazer uma OPA?

O que significa OPA? 

No movimento contrário ao do IPO, quando uma empresa opta por sair da bolsa, ou seja, quando deseja fechar seu capital e não mais disponibilizar suas ações para novos acionistas minoritários (os investidores pessoa-física), é necessário que ela realize uma OPA, uma Oferta Pública de Aquisição.

Durante esse processo, o acionista majoritário ou o grupo controlador da companhia faz uma oferta aos demais acionistas a fim de comprar o restante das ações disponíveis, passando a deter, assim, a totalidade (ou pelo menos uma grande parte) do controle da empresa.  

É importante ressaltar que todas as OPAs são reguladas pela CVM, a Comissão de Valores Mobiliários, assegurando o tratamento igualitário para todos os acionistas. 

Afinal, qual a diferença entre OPA e IPO?

IPO e OPA são conceitos próximos, mas que significam movimentos completamente opostos de uma empresa dentro da Bolsa. 

Enquanto no IPO a empresa opta por abrir seu capital na bolsa, no OPA a empresa opta por fechar o seu capital e não mais disponibilizar seus papéis para os acionistas

Assim como toda empresa que decide sair da B3 precisa realizar a OPA dentro dos parâmetros estipulados pela CVM, assim também ela deve proceder quando decide fazer o IPO para estrear capital na Bolsa. 

Portanto, os dois conceitos são muito importantes e apresentam boas oportunidades para o investidor que é atento aos movimentos de mercado e que acompanha de perto os ativos que possui em sua carteira ou que planeja adquirir num futuro próximo. 

Como funciona uma OPA?

Entre a decisão de fazer uma OPA até a verdadeira realização desse processo existem alguns passos fundamentais que precisam ser seguidos. 

Como dissemos, esse processo é regulamentado pela CVM e é realizado de forma rigorosa a fim de oferecer um tratamento igualitário a todos os acionistas

O primeiro deles é comunicar os acionistas que possuem o ativo a ser encerrado sobre as intenções que a empresa tem de recomprar essas ações.

Após o comunicado, a empresa tem 30 dias para solicitar o fechamento junto à CVM, que pode demorar até 60 dias para aprovar o pedido ou não.

Se o pedido for aceito pela CVM, a empresa deve divulgar o preço que será pago por cada ação. Esse valor é chamado de ‘’preço justo’’ e é realizado em uma auditoria independente. Ele é baseado em três variáveis: 

  • Os fluxos de caixa futuros;
  • O preço médio da ação nos últimos 12 meses;
  • O patrimônio líquido por ação. 

Com o preço estabelecido, a empresa publica um documento manifestando e oficializando o compromisso de adquirir uma determinada quantidade de ações, o preço a ser pago e o prazo determinado para essa operação

Se o preço ofertado for aceito pelos acionistas — nessa parte, é importante que pelo menos 90% dos investidores aceitem a proposta; caso não seja aceita, cabe à empresa reformular e reavaliar a proposta até que ela seja aceita — no dia combinado as ações são compradas pelos controladores.

A OPA é efetivada em um leilão realizado pela B3 ou no mercado de balcão e o dinheiro líquido volta para a conta corrente da corretora do investidor no dia combinado para a compra.  

É importante dizer que nenhum acionista é obrigado a participar do OPA, ou seja, não é obrigado a vender suas ações ao grupo controlador. 

Nesse caso, ele passará a ser sócio de uma empresa de capital fechado e, caso deseje se desfazer dos papéis, dependerá das vendas privadas, o que pode comprometer a liquidez do ativo. 

Tipos de OPA

Existem 4 motivos pelos quais uma empresa pode decidir deixar a Bolsa e fazer uma OPA. Todas estão previstas na Lei das Sociedades Anônimas e podem ser pelos seguintes motivos:  

  1. Cancelamento do registro da companhia (fechamento do capital);
  2. Aumento de participação; 
  3. Alienação onerosa do controle; 
  4. Aquisição do controle. 

Além dessas 4 modalidades de OPA, as Ofertas Públicas de Aquisição também são classificadas em obrigatórias ou voluntárias. 

Confira mais sobre cada uma delas a seguir:

OPAs obrigatórias 

As 3 primeiras modalidades de OPA são consideradas obrigatórias e têm como objetivo principal proteger o acionista minoritário

Acontecem quando a empresa deseja fechar seu capital na bolsa, quando a participação do controlador é tão grande que prejudica a liquidez dos ativos ou ainda no caso de alienação do controle acionário 

OPAs voluntárias

A última modalidade de OPA é voluntária e pode ser realizada quando é do desejo do grupo controlador voltar a ter controle pleno da empresa

O que leva uma empresa a fazer uma OPA?

São vários os motivos que podem levar uma empresa a decidir fazer uma OPA, como quando: 

As ações estão muito descontadas

Quando as ações estão sendo negociadas a um valor muito abaixo do que realmente valem como patrimônio, o controlador pode optar por recomprar as ações e retirar a empresa da bolsa. 

Nesse caso, o controlador consegue recomprar as ações por um preço menor do que o que recebeu no IPO, o que pode ser bastante vantajoso para ele. 

A empresa enxergue um horizonte favorável 

Caso a empresa tenha bons projetos para o futuro, pode ser que desejem aproveitar o máximo possível dessa situação. 

A recompra é vantajosa nessa situação pois o grupo controlador vai adquirir as ações por um preço que, em comparação aos benefícios e lucros que o novo projeto pode gerar, é visto como altamente descontado. 

Quando não há mais necessidade de captar recursos

Um dos principais motivos que leva uma empresa a fazer IPO, ou seja, a abrir seu capital na bolsa, é captar recursos para investir em novas demandas e projetos. 

Caso esses recursos não sejam mais necessários, algumas companhias optam por encerrar sua participação na Bolsa, pois manter-se lá é bastante oneroso para a empresa.  

Conclusão 

OPA é a sigla para Oferta Pública de Aquisição e nomeia o processo que determinada empresa abre, junto à CVM, para encerrar sua participação em Bolsa. Através dele, o grupo controlador firma o desejo e o compromisso de adquirir de volta as ações que anteriormente haviam sido ofertadas através do IPO.

Gostou de saber um pouco mais sobre como é feito o processo de Oferta Pública de Aquisição? Para ficar por dentro do mundo dos investimentos e continuar aprendendo mais sobre esse universo de maneira simples e descomplicada, confira nosso Instagram e acompanhe tudo que a Akeloo tem para te oferecer!

Compartilhe