Logo Akeloo Nelógica
CALCULADORA DE IR
Início » Mercado Financeiro » O que é Stop Loss e Stop Gain? Entenda

O que é Stop Loss e Stop Gain? Entenda

Para operar no mercado de ações, uma regra é primordial: […]

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 31/03/2022 às 13h11

Compartilhe

O que é Stop Loss e Stop Gain? Entenda

Para operar no mercado de ações, uma regra é primordial: para ganhar, você também deve estar aberto a perder. Conforme você já aprendeu aqui no blog da Akeloo, os investimentos na Bolsa possuem maior potencial de rentabilidade se contrastados com a renda fixa — no entanto, isso serve como uma via de mão dupla, dado que na renda variável você expõe seus ativos à volatilidade do mercado e, por tabela, a uma eventual desvalorização. Ainda assim, você já imaginou se pudesse aplicar em ações prevendo todos os seus lucros e prejuízos? Pois saiba que, com as ordens de Stop Loss e Stop Gain, isso pode ser uma realidade.

Não é segredo para ninguém que o medo de perder dinheiro está entre os motivos que mais afastam o brasileiro do mercado acionário. Segundo levantamento da gestora de ativos americana BlackRock, a catástrofe de ver o seu patrimônio se esvaindo diante de seus olhos em um gráfico de velas é a terceira justificativa que os brasileiros mais usam quando são confrontados com a pergunta “Por que você não investe?” — ficando atrás apenas da falta de recursos e da ausência de conhecimento em mercado financeiro, respectivamente.

Adiante, mesmo quem entende o básico ou tem amigos que aplicam pode colocar um pé para trás quando o assunto é Bolsa de Valores — talvez você mesmo já tenha escutado que operar em renda variável é somente para os investidores com perfil mais agressivo. 

Quando entramos no campo do day trade, o cenário se torna ainda mais seletivo — muitos acreditam que conduzir operações rápidas, visando conquistar lucros se beneficiando da oscilação dos ativos dentro de um mesmo pregão, está restrito exclusivamente aos investidores com verdadeiro sangue de barata.

Contudo, e se você conseguisse estabelecer um limite do quanto está preparado para perder? Partindo dos comandos Stop Loss e Stop Gain, o investidor pode automatizar as vendas de seus papéis de acordo com a sua disposição aos riscos.

Quer saber mais sobre? Neste artigo da Akeloo, você vai:

  • Entender o que são as ordens Stop Loss, Stop Gain e Stop Móvel em seu Home Broker;
  • Conferir exemplos mostrando na prática como você pode empregar cada comando para controlar seus lucros e prejuízos no mercado de ações;
  • Se atentar aos cuidados que você deve ter ao utilizar o Stop Loss e Stop Gain em sua estratégia de investimentos.

Stop Loss (em tradução livre, “parar a perda”)

Para darmos início à nossa conversa, em primeiro lugar você deve entender que toda ordem de venda consiste em um comando — programado no Home Broker da corretora — para que uma ação seja lançada de volta ao mercado automaticamente caso cumpra com condições indicadas previamente pelo investidor. Trata-se de um método para que você tenha um manejo mais dinâmico das ações que estão em sua carteira de investimentos. 

Pense no Stop Loss como uma robotização. Quando você programa uma ordem de parar a perda, você determina que a partir do momento em que uma operação alcançar certo nível de prejuízo (estipulado pelo investidor), ela será desmontada de maneira imediata — seja uma compra em operações de venda, seja uma venda em operações de compra — sem a necessidade de qualquer intermediação de sua parte.

Por exemplo…

Você adquiriu um lote com 100 ações da Vale (VALE3) por R$ 100 cada. Então você define uma ordem de Stop Loss no caso do papel perder valor em 2% — isto é, se desvalorizar até custar R$ 98.

Suponhamos que, mais tarde, a Vale tenha de fato entrado no vermelho na B3, fazendo com que o preço dos seus papéis sejam derrubados até os R$ 96. No efeito dominó, o Stop Loss será acionado e você se livrará de todas as ações automaticamente. Neste exemplo, você teve um prejuízo de R$ 200 no total.

Ainda assim, imagine que as ações VALE3 seguiram a tendência negativa até baterem os 8% (ficando em R$ 92). Aqui você, a partir do Stop Loss, mitigou ainda mais suas perdas — ou seja, manteve os prejuízos dentro de um limite com o qual você consegue arcar — e impossibilitou que seus ativos entrassem em queda livre no pregão da Bolsa de Valores.

Conforme você viu, a ideia do Stop Loss é controlar os prejuízos. Caso você, a título de exemplo, entre no mercado financeiro com o mantra “Eu nunca quero perder mais de R$ 200 com ações”, você pode estabelecer ordens de Stop Loss para que os seus prejuízos jamais excedam esse montante.

Stop Gain (em tradução livre, “parar o ganho”)

Agora que você já entendeu do que se trata o Stop Loss, a compreensão do Stop Gain se torna muito mais simples. O Stop Gain é semelhante ao Stop Loss, porém, aqui a ordem é para que a operação seja desmontada assim que atingir um valor pré-estabelecido de valorização.

Neste ponto, o leitor pode se questionar: “Mas, afinal de contas, por que alguém interromperia um ciclo de lucros em uma ação?”. Bom, isso se dá porque toda operação  que hoje está valorizando uma hora ou outra vai ter que entrar em desvalorização. É por este motivo que os investidores buscam desmontar operações  quando presumem que ela chegou no chamado pico de valorização. 

Em outras palavras, calcados em suas próprias estratégias de operação, os investidores procuram desmontar uma operação no momento em que julgam que ela vai deixar de ser rentável no curto prazo — trata-se de um exercício de projeção de mercado e para tanto é necessário expertise em investimentos de renda variável.

Por exemplo…

Você tem em sua carteira um lote de ações da Gerdau (GGBR4) que valem R$ 50/cada. Você, pensando em uma margem de lucro no futuro, fixa o Stop Gain em 8%. 

Até que, em determinado pregão, os ativos GGBR4 chegam aos R$ 54 — impulsionando o gatilho de venda das ações do Stop Gain. E então, nos dias que se seguem, os papéis da Gerdau entram em um fluxo de quedas, atravancando em R$ 50,50. Neste contexto, você sustentou os seus ganhos — posto que, se tivesse expectado todas as flutuações do mercado, teria conseguido um retorno diminuto de apenas 1%.

Deste modo, o comando Stop Gain pode proteger os lucros dos investidores.

Stop Móvel

O Stop Móvel é outra variante da ordem Stop que tem por seu objetivo preservar o investimento e, ao mesmo tempo, acompanhar as oscilações do mercado.

Como seu próprio nome indica, no Stop Móvel o comando é regulado conforme o preço da ação se altera — sendo ajustado para cima sempre que houver ganho, por exemplo, segurando maior rentabilidade ao investidor. Um exercício imaginativo pode nos fazer entender com mais clareza.

Por exemplo…

Neste exemplo, você comprou um lote comum de 100 ações do Itau (ITUB4) por R$ 25/cada e estipulou o Stop Loss em R$ 23,75 (5% do preço original dos papéis) — isto é, você não quer tomar um prejuízo maior do que R$ 1,25 em cima de cada ação.

E então, na outra ponta, você indica o início de um Stop Móvel a partir dos R$ 27 (8% de valorização) com um ajuste de R$ 1,00. 

O que ocorre, na prática, é que caso a ação chegue até os R$ 27 previstos pelo Stop Móvel, o Stop Loss será, no ato, corrigido para R$ 24,75 (R$ 1,25 do Stop Loss original + R$ 1,00 do ajuste móvel), fazendo com que a ordem de venda acompanhe a valorização do ativo e se aproxime mais do preço de compra dos papéis.

Também é válido destacar que, a depender da corretora, podem existir pequenas mudanças no modo de operação do comando Stop Móvel.

Cuidados

Para quem é investidor de primeira viagem, nós sabemos que começar a trabalhar com ordens de Stop Loss e Stop Gain pode ser um desafio e tanto em um primeiro momento. 

E é justamente para te auxiliar nessa empreitada que a equipe da Akeloo separou algumas dicas para que você empregue o Stop Loss e Stop Gain com mais segurança. Confere abaixo!

Antes de programar uma ordem, faça uma análise com calma e com critério do mercado

Lidar com os números negativos faz parte do dia a dia do investidor — apesar disso, tomar certas precauções pode fazer com que você visualize mais gráficos verdes do que vermelhos em sua rotina de investimentos. Por isso, sempre que estiver para definir uma Stop Loss ou Stop Gain, entenda de qual empresa você está adquirindo ações e realize uma análise fundamentalista e/ou técnica.

Também é essencial que você assimile seus ganhos e perdas como um todo. Em um comando de Stop Loss em 5%, para ilustrar, o investidor pode cair no erro de imaginar que seu prejuízo bruto estará limitado a somente 5% do preço da ação que aparece no telão de cotações — entretanto, ao trabalhar com lotes de ações, toda perda é multiplicada pelo número de ativos que o investidor detém no total.

Um prejuízo de R$ 5 em um papel, por exemplo, se transforma em R$ 500 em um lote de ações padrão. Esteja atento a isso.

Para day traders que negociam com alavancagem, atenção redobrada. Com a injeção de recursos externos, toda perda é, por consequência, potencializada.

Opere em horário útil

É, sem dúvidas, um constrangimento para o investidor acessar seu Home Broker e descobrir que uma ordem de Stop Loss ou Stop Gain não foi enviada de acordo com o previsto.

Esta falha pode se apresentar quando uma ordem é engatilhada para disparar fora do horário de funcionamento da B3 — o que configura um deslize relativamente comum entre quem opera com Stop Loss e Stop Gain.

O pregão da bolsa brasileira normalmente acontece entre 10h00 e 17h00 dos dias úteis, excluindo os finais de semana e feriados nacionais — qualquer comando programado fora deste recorte cronológico é simplesmente desconsiderado.

Conclusão

Seja para o day trader, seja para o investidor comum, as ordens Stop Loss e Stop Gain, sem sombra de dúvidas, são ferramentas vantajosas para que quem negocia no mercado acionário opere com mais tranquilidade. 

Afinal, com os comandos de venda automatizados, o investidor toma, com efeito, as rédeas de seus ativos e suaviza uma das características mais fortes da Bolsa de Valores — a imprevisibilidade. O Stop Loss e Stop Gain evidenciam, ademais, que os investidores tidos como mais conservadores também podem ter o seu lugar na renda variável.

Contudo, apesar das ordens de venda serem utilizadas por todas as categorias de investidores, elas têm um espaço especial no cotidiano daqueles que negociam em day trade. Ainda não sabe o que isso significa? Se você se considera daqueles investidores que apreciam fortes emoções ou quer aprender um pouco mais acerca dos diferentes meios de se fazer renda no mercado de ações, clique aqui e confira o nosso Guia Definitivo do Day Trade!

Receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail

Não se preocupe, não enviamos spam.

Compartilhe