Calculadora de IR em Bolsa
CALCULADORA DE IR
Início » Investimentos » Fundos de Investimentos Espelho: o que é, para que serve e como funciona

Fundos de Investimentos Espelho: o que é, para que serve e como funciona

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 6/01/2022 às 8h56

Compartilhe

Fundos de Investimentos Espelho: o que é, para que serve e como funciona

Se você se interessa ou já investe no mercado financeiro já deve ter ouvido falar dos Fundos de Investimento (FI), mas você sabe o que são os Fundos de Investimento em Cotas (FIC) – Feeder Funds -, algumas vezes chamados de fundos de investimentos espelho?

Se liga nesse artigo então, que vamos explicar tudo para você:

  • O que é e como funciona a estrutura dos fundos de investimentos espelho;
  • Vantagens da estrutura master feeder / feeder funds;
  • Como funciona – exemplo prático;
  • Alternativa dos fundos multigestores;
  • Aspectos regulatórios dos fundos de investimentos espelho.

O que é e como funciona a estrutura dos fundos de investimentos espelho

A estrutura dos fundos master, ou master feeder no inglês, consiste na utilização de um fundo de investimento principal, normalmente isento de taxas de administração e performance, para agregar todos os ativos do fundo, enquanto que os FICs ou feeder funds são utilizados para atender certas demandas ou nichos específicos de mercado.

Sendo assim, a gestão – compra e venda dos ativos – é feita no fundo master, enquanto que toda aplicação dos cotistas é feita através dos fundos espelho, ou feeder funds. Dessa forma, todos os cotistas aplicam seu dinheiro nos fundos espelho e esses, por sua vez, compram cotas do fundo master, fazendo com que indiretamente todos os cotistas dos diferentes FICs estejam investindo no mesmo fundo master. 

Vantagens da estrutura master feeder / feeder funds

Por mais que pareça uma estrutura muito complexa, a criação de master feeder e feeder funds é uma prática muito comum na indústria de fundos e foi criada para otimizar questões administrativas, comerciais e de gestão. 

As principais vantagens na criação desse tipo de estrutura estão relacionadas a otimização operacional, no ganho de escala, na separação entre questões comerciais e estratégia de investi- mento e na uniformização das operações. 

É muito comum que um banco, gestora ou corretora queira oferecer diferentes fundos para diferentes perfis de clientes, porém com a mesma estratégia de investimento. A diferença pode ser, por exemplo, na aplicação mínima inicial ou no prazo de resgate ou ainda no valor das taxas cobradas. 

Sem a estrutura de master feeder, seria necessário criar vários fundos diferentes e realizar operações semelhantes em todos eles. Inicialmente isso já representaria um enorme aumento de trabalho operacional e mais trabalho significa mais custos. Além disso, vários fundos operando concomitantemente com a mesma estratégia abrem espaço para injustiças e vantagens indevidas. A compra de uma ação ou derivativo, por exemplo, pode se dar por vários preços diferentes ao longo de horas ou dias. O gestor poderia escolher, por exemplo, qual fundo ficaria com os menores preços, beneficiando assim somente um fundo ou grupo de clientes. 

A estrutura de master feeder impede assim esse tipo de ajuste, além de reduzir os custos operacionais. Todas as compras ou vendas são realizadas apenas pelo fundo master. Os preços são distribuídos igualmente entre todos os fundos feeders e, portanto, igualmente distribuídos entre todos os cotistas, sem vantagens ou desvantagens para qualquer grupo. 

Como funciona – exemplo prático

Para entendermos melhor o conceito da estrutura, vamos usar como exemplo o fundo mais conhecido do mercado brasileiro, o Fundo Verde. Toda a estratégia macroeconômica e de investimento é realizada pelo fundo Verde Master. Esse fundo possui patrimônio de 14 bilhões de reais e apenas 39 cotistas. Todos esses cotistas são fundos de investimentos de cotas de fundo de investimento ou FICs ou fundos espelhos ou feeder funds do Verde. 

Isso significa que podem existir até 39 fundos que são cotistas do fundo Verde Master e portanto são veículos para mesma estratégia de gestão e com a mesma execução, a diferença entre eles pode ser que um fundo é distribuído pelo banco X, outro pela corretora Y, um pode ter prazo de resgate de 30 dias, outro de 120 dias ou o aporte inicial de um pode ser de 50 mil, enquanto que de outro pode ser de 5 mil e assim sucessivamente. Mas o que importa é que todos eles seguirão as estratégias do fundo Verde Master. 

Alternativa dos fundos multigestores

Vale a pena ressaltarmos uma confusão muitas vezes criada entre a estrutura de master feeder com a estratégia de fundo de fundos. As duas estratégias utilizam FICs, porém com objetivos diferentes.

Enquanto os feeders investem integralmente em um único fundo master, os fundos de fundo utilizam um FIC para criar uma carteira de vários fundos diferentes, buscando diversificação e balanceamento de carteira. Também costumam ser chamados de fundos multigestores, pois possibilita que o investidor, com um único fundo, divida seu patrimônio em gestoras e estratégias diferentes.

Aspectos regulatórios dos fundos de investimentos espelho

O que acontecia no passado, que desencorajava ou iludia os investidores era uma questão ligada às taxas de administração. Um feeder, ou fundo espelho, era anunciado com taxas baixas, porém aplicava em um fundo master com taxas altíssimas, o que claramente transferia os custos para o investidor final. 

Para acabar com esse mecanismo a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) alterou sua regulamentação sobre fundos com a instrução 555/2014, que obriga, entre outras coisas, que os fundos divulguem sempre sua taxa de administração máxima, que representa o valor acumulado de todos os custos de uma cadeia master feeder. 

Portanto, os gestores costumam criar os fundos master sem taxa de administração, ou com uma pequena taxa que é descontada da taxa do fundo feeder, ou seja, se um fundo feeder cobrar 2% de taxa de administração a.a., investir em um fundo master que cobra 0,5%, ele só irá efetivamente ganhar 1,5% a.a. (2 – 0,5). Então, para não prejudicar a rentabilidade dos cotistas, vamos supor que um fundo que originalmente cobrava 1,5% a.a. de taxa de administração, ao passar para a estrutura master feeder, onde o master cobra 0,3%, o feeder irá cobrar 1,2%, resultando na mesma taxa final. 

Conclusão

A estrutura dos feeder funds, com especificidades próprias, mas que são atrelados a um fundo master atuando como fundo de investimento principal e agregando todos os ativos do fundo, é uma prática muito comum na indústria de fundos e foi criada para otimizar questões administrativas, comerciais e de gestão.

Dentro desse universo, uma alternativa muito utilizada entre os investidores é o investimento em fundos multigestores, ou fundo de fundos. Tal opção possibilita ao investidor, com um único fundo, dividir seu patrimônio em gestoras e estratégias diferentes.

Para regular esse mercado, a CVM instituiu a Instrução 555/2014 que visa trazer uniformidade e clareza, evitando abusos e dando proteção ao investidor.

Portanto, antes de entrar nesse universo, certifique-se de que o investimento em FIC em que você está se envolvendo está de acordo com as leis e regulamentações do mercado financeiro. 

Agora que você já sabe os conceitos básicos sobre Fundos de Investimento Espelho, que tal aprofundar seu conhecimento tributário com este Guia completo de Tributação em Investimentos?

Para aprender mais sobre o universo dos investimentos, não deixe de conferir o nosso Instagram e ver tudo que a Akeloo tem para te oferecer.

Receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail

Não se preocupe, não enviamos spam.

Compartilhe