Calculadora de IR em Bolsa
CALCULADORA DE IR
Início » Mercado Financeiro » O que é Fundo de Investimento em Participações (FIP)?

O que é Fundo de Investimento em Participações (FIP)?

O Fundo de Investimento em Participações, também conhecido como FIP, […]

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 26/11/2021 às 9h42

Compartilhe

O que é Fundo de Investimento em Participações (FIP)?

O Fundo de Investimento em Participações, também conhecido como FIP, é um ativo de renda variável um pouco diferente dos fundos de investimento tradicionais. Isso porque eles permitem que os cotistas tenham influência nas decisões das empresas.

Atualmente existem cinco tipos diferentes de FIPs negociados na bolsa de valores. Todos eles pertencem a uma classe fechada, cujas cotas podem ser resgatadas oficialmente apenas em casos específicos.

Para você entender mais sobre o que é um Fundo de Investimento em Participações, como ele funciona e quais são as vantagens de investir neste ativo, preparamos este artigo com as principais informações que você precisa saber antes de decidir incluí-lo em sua carteira. Veja os tópicos que abordaremos:

 

  • O que é Fundo de Investimento em Participações?
  • Quais são os tipos de FIP?
  • Como funciona o Fundo de Investimento em Participações?
  • As vantagens de investir em FIPs
  • Os riscos de investir em FIPs

O que é Fundo de Investimento em Participações?

Assim como os fundos de investimento tradicionais, o fundo de investimento em participações funciona através da captação de recursos de um grupo de investidores, formando um condomínio que será administrado por um gestor profissional.

 

A diferença, entretanto, é que o no FIP os cotistas investem em empresas de capital fechado ou sociedades limitadas, além de também contarem com a possibilidade de comprar ações de companhias abertas e investir em debêntures que poderão ser convertidas em ações, bônus de subscrição e outros títulos mobiliários.

 

Assim, o objetivo é que os investidores possam participar ativamente da tomada de decisão na gestão do negócio enquanto acompanham e lucram com o crescimento das companhias a longo prazo. Isso torna o FIP uma aplicação ideal para quem deseja investir em empresas em fase de desenvolvimento, apostando em seu crescimento e valorização.

 

Como são negociados na bolsa de valores, os FIPs são classificados como investimentos de renda variável e pertencem a uma classe fechada — ou seja, as cotas só podem ser resgatadas mediante deliberação em assembleia ou quando o fundo é encerrado pelo gestor.

Quais são os tipos de FIP?

Atualmente, existem quatro tipos de FIP no mercado. Saiba mais sobre eles:

Capital semente

Este tipo de FIP é voltado para quem deseja investir em empresas ou sociedades limitadas cuja receita bruta anual seja de até R$16 milhões. Este critério é avaliado segundo análise dos exercícios sociais dos três anos anteriores ao primeiro aporte do fundo.

Empresas emergentes

O investimento deste FIP é focado na aquisição de participação em empresas e sociedades limitadas cuja renda bruta anual não ultrapasse os R$ 300 milhões. O critério de avaliação é o mesmo da opção anterior, sendo apurados os três últimos exercícios sociais da companhia.

Multiestratégia

Este tipo de FIP não se enquadra nas demais categorias devido à sua característica de permitir o investimento em múltiplos portes e tipos de sociedade. Através do FIP Multiestratégia investidores profissionais podem investir até 100% do capital subscrito em ativos estrangeiros.

Infraestrutura

O FIP de infraestrutura, também conhecido como FI-Infra, tem como objetivo investir em títulos de emissão de empresas de capital aberto ou fechado ou sociedades anônimas que desenvolvam pesquisas e inovações em áreas prioritárias como:

 

  • Energia;
  • Transporte;
  • Água e saneamento básico;
  • Irrigação.

 

As regras de participação incluem a obrigatoriedade de ter, no mínimo, cinco cotistas e cada um não pode deter mais de 40% das cotas emitidas ou auferir rendimento superior a 40% do rendimento do FIP.

 

Um importante benefício oferecido pelo fundo é a isenção fiscal para os dividendos e também para a venda de cotas. Atualmente, o FI-Infra é o fundo que mais tem se destacado no mercado, representando a maior parte dos FIPs listados na B3 — em novembro de 2021, duas novas opções foram adicionadas para atrair os pequenos investidores.

Como funciona o Fundo de Investimento em Participações?

Como você viu, no FIP existe a possibilidade da participação do fundo no processo de decisão da empresa investida. Esta participação pode acontecer de três maneiras:

  • segundo acordo de acionistas;
  • através da detenção de ações que compõem o bloco de controle;
  • através da adoção de medidas que confiram ao fundo a influência na gestão e na definição de política estratégica da companhia.

Dessa forma, ao gestor do fundo é delegada a função de indicar membros do conselho de administração das empresas, garantindo ao fundo influência na política do negócio.

Outra regra de funcionamento do FIP é que os fundos devem manter, no mínimo, 90% do seu patrimônio investido em ações, debêntures, bônus de subscrição e títulos mobiliários conversíveis em ações. O restante do capital pode ser investido em cotas de outros fundos.

A exceção a essa regra são as debêntures simples. Nesse caso, o limite máximo de aplicação é de 33% do patrimônio do fundo. Além disso, a compra de ativos no exterior não pode ultrapassar 20% do capital subscrito.

Caso o FIP conte com apoio financeiro de organismos de fomento, ele pode contrair empréstimos desses organismos em um montante correspondente a 30% dos ativos do fundo.

As vantagens de investir em FIPs

Conheça as principais vantagens dos Fundos de Investimento em Participações:

Isenção tributária

Dentre as vantagens, a isenção tributária é uma das mais relevantes. Há isenção de imposto de renda para o ganho de capital e também para os dividendos distribuídos para quem investe em projetos de infraestrutura.

Diversificação da carteira

Como o FIP é uma aplicação que permite a participação em diversos projetos de capital aberto ou fechado, ele se torna uma opção atraente para quem deseja diversificar os investimentos, reduzindo o risco global da carteira.

Lucros relevantes

Ao investir em empresas em fase de desenvolvimento, com participação ativa na gestão, o FIP se torna uma aplicação com alto potencial de retorno no longo prazo.

Os riscos de investir em FIPs

Como toda aplicação de renda variável, os FIPs também apresentam riscos que devem ser avaliados pelo investidor. Confira:

Baixa liquidez

Por se tratar de um investimento a longo prazo, há baixa liquidez nos FIPs. Isso porque suas cotas não são negociadas na bolsa de valores, havendo uma data de vencimento pré-estabelecida.

Assim, não é possível resgatar o investimento antes do prazo e nem aplicar mais dinheiro ao longo do tempo.

Dividendos menos frequentes

Diferente de outros fundos, os FIPs podem pagar dividendos com menos frequência, uma vez que não há padronização em sua estrutura. Em geral, o pagamento pode ocorrer de forma trimestral ou semestral.

Risco de mercado

Atualmente, a maior parte dos FIPs disponíveis são voltados para investidores qualificados, o que significa um alto custo. Como os investimentos são preferencialmente voltados para empresas em desenvolvimento, há um risco elevado de o negócio não gerar lucros ou mesmo ir à falência, gerando prejuízo para os cotistas.

Conclusão

O FIP tem atraído cada vez mais interessados em uma alternativa à renda fixa que apresente risco menor que as ações — embora sejam majoritariamente voltados para investidores qualificados, já é possível encontrar no mercado opções de FIPs voltadas ao pequeno investidor.

Investe em renda variável e gostou de saber mais sobre o Fundo de Investimento em Participações? Então que tal conferir também nosso artigo sobre como declarar imposto de renda sobre fundos imobiliários (FIIs)? Veja o passo a passo para manter seu imposto em dia!

Receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail

Não se preocupe, não enviamos spam.

Compartilhe

  • Operações Compromissadas

Entenda o que são Operações Compromissadas

Menos conhecidas do que outras alternativas de renda fixa, as operações compromissadas são um acordo feito entre investidores e instituições financeiras. Entenda como elas funcionam!