Calculadora de IR em Bolsa
TESTE GRÁTIS
Início » Renda Variável » Follow on de ações: saiba como funciona 

Follow on de ações: saiba como funciona 

Entenda como funciona o follow on de ações, também conhecido como oferta de novas ações da bolsa, e entenda por quê esse processo é importante para a empresa 

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 15/04/2021 às 19h55

Compartilhe

Follow on de ações: saiba como funciona 

O follow on de ações acontece quando uma determinada empresa, que já fez IPO para se tornar uma empresa de capital aberto na bolsa, opta por disponibilizar mais ações no mercado

Apesar de ser bem parecido com o IPO, as ofertas possuem uma dinâmica diferente. Para entender tudo sobre esse processo é só continuar a leitura. Neste texto você vai ler mais sobre: 

  • O que é follow on de ações?
  • Como funciona o follow on de ações?
  • Por que uma empresa decide fazer um follow on de ações?
  • Os tipos de follow on existentes no mercado.

O que é follow on de ações? 

O follow on, também conhecido como oferta de novas ações ou oferta subsequente de ações, acontece quando uma empresa, que já possui ações sendo negociadas na bolsa de valores, decide emitir mais papéis para serem negociadas no mercado de renda variável

Em outras palavras, o follow on é um processo em que a empresa retorna à bolsa de valores a fim de negociar uma nova rodada de ações no mercado. Dessa forma, quando pensamos hierarquicamente, apenas empresas que já realizaram o IPO podem solicitar um follow on de ações.

Como funciona o follow on de ações?

Funciona assim: quando uma companhia deseja ampliar sua atuação no mercado, seja aumentando a produção, expandindo as áreas de atuação ou contratando mais funcionários, ela precisa de um capital líquido compatível com essas ambições, correto? 

Para reunir esse dinheiro, ela realiza, junto à CVM (Comissão de Valores Monetários) um IPO (Initial Public Offering) e passa a ofertar suas ações na Bolsa de Valores, possibilitando, assim, que milhares de investidores se tornem sócios da empresa. Em troca, é claro, a companhia recebe o dinheiro investido para dar os próximos passos na expansão dos negócios. 

A partir dos novos recursos captados, espera-se que a empresa projete rapidamente seus negócios e, consequentemente, seus lucros. 

Um ponto básico, mas importante para compreender a necessidade do follow on, é saber que a empresa emite ações uma única vez no IPO. 

A partir dessa oferta inicial, esses papéis são negociados o mercado seguindo a lei de oferta e procura; só é possível adquirir ações de uma empresa quando algum investidor decide se desfazer delas. Da mesma forma, só é possível vender quando alguém se interessa por comprá-las (e é por isso que pode ser tão difícil se desfazer de ações de empresas que estão passando por momentos de crise, por exemplo). 

É claro que esse processo é feito de maneira automática pela bolsa de valores, mas esse princípio se mantém sempre. 

Dessa forma, quando a empresa sente necessidade, por diversos motivos que iremos explicar em seguida, de ter mais ações circulando no mercado, é preciso fazer um follow on de ações. Funciona como um segundo IPO, mas com algumas diferenças importantes. 

A mais importante delas é que o IPO é realizado como o primeiro passo de entrada da companhia na bolsa de valores, enquanto o follow on se caracteriza por ser um processo de expansão dos negócios da empresa que já está listada na bolsa

Por que uma empresa faz follow de ações?

Expandir o patrimônio de uma empresa apresenta uma série de vantagens não só para a companhia como também para os investidores que apostam nela. Afinal, quanto mais sucesso nos negócios, maior o lucro e mais bem recompensados são os acionistas. 

Além disso, alguns outros pontos positivos são: 

Aumenta a liquidez da empresa

Pois agora o volume de ações é maior, então a quantidade de dinheiro é maior. Além disso, a nova oferta provavelmente irá atrair novos investidores, o que facilita a negociação dos papéis. 

Potencializa a captação de novos recursos

Para crescer rapidamente, uma empresa precisa ter dinheiro disponível para investir em sua estrutura como um todo. 

Seja criando novas fábricas ou escritórios, contratando mais funcionários ou aumentando a logística para atuação em mais localidades, qualquer um destes processos demanda capital, e a forma mais fácil e rápida de captá-lo é conquistando novos investidores

Aumento na visibilidade da empresa 

O processo de follow on precisa ser comunicado no mercado para que os investidores fiquem cientes da oportunidade. 

Toda essa divulgação aumenta a visibilidade da empresa e pode se tornar um bom momento tanto para o acionista que deseja encerrar suas posições, pois ele encontrará uma oferta maior para vender, quanto para o acionista que deseja aumentar sua posição.

Tipos de follow on existentes no mercado 

Assim como aconteceu no IPO, o processo de follow on pode ocorrer de maneira primária e secundária

Quando a negociação é feita no mercado primário, a compra e a venda dos papéis é realizada diretamente entre a empresa emissora e os possíveis novos investidores interessados em se tornarem acionistas. 

Nesta modalidade, a empresa consegue aumentar seu patrimônio, pois todo o capital arrecadado vai direto para o caixa da empresa. É a modalidade ideal para quando a companhia precisa do dinheiro para crescer os negócios. 

No mercado secundário, por outro lado, a negociação é feita entre os acionistas e os potenciais acionistas; portanto, a empresa não tem qualquer tipo de aumento de patrimônio, pois a negociação é realizada apenas entre os acionistas. 

Além disso, a oferta pode ser pública ou privada. 

Oferta pública

Nessa modalidade, qualquer investidor do mercado pode se tornar um acionista, pois todos têm acesso aos ativos disponibilizados. 

Assim como no IPO, os ativos são distribuídos pela bolsa de valores e os interessados em fazer a compra devem manifestar o interesse através do home broker da instituição financeira da qual fazem parte. Todo o processo deve ser realizado com o acompanhamento da CVM.

Oferta privada

Já na oferta privada, apenas investidores profissionais (tanto pessoas físicas como fundos de investimentos) podem participar da oferta. A empresa emissora escolhe essa modalidade quando deseja restringir o acesso aos ativos e diminuir a burocracia do processo. 

Isso porque esse tipo de operação dispensa o envolvimento da CVM e não exige nenhuma obrigação de elaboração de prospecto. 

Além disso, essas ações podem ser oferecidas a apenas 75 investidores e no máximo 50 deles podem fechar negócio. 

Conclusão 

Assim como o IPO, o follow on de ações acontece quando a empresa decide expandir seu patrimônio a fim de aumentar as operações e, consequentemente, o lucro

O follow on pode ser realizado no mercado primário, quando a empresa negocia diretamente com o potencial acionista, ou no mercado secundário, quando acionistas negociam com potenciais acionistas. O primeiro caso é o mais efetivo para casos em que a empresa emissora deseja aumentar seu patrimônio. 

Além disso, a oferta pode ser pública, quando a empresa disponibiliza as novas ações para qualquer investidor interessado, ou privada, quando apenas investidores profissionais podem adquirir os novos papéis. 

Gostou deste conteúdo? Continue acompanhando o nosso blog e fique de olho também em nosso Instagram para não perder nenhuma novidade!

Compartilhe