Calculadora de IR em Bolsa
CALCULADORA DE IR
Início » Criptomoedas » ETF de Criptomoedas: como funciona?

ETF de Criptomoedas: como funciona?

Quem é, ou deseja ser, investidor, já deve ter ouvido […]

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 21/09/2021 às 10h15

Compartilhe

ETF de Criptomoedas: como funciona?

Quem é, ou deseja ser, investidor, já deve ter ouvido falar nos Exchange Traded Funds (ETFs), conhecido no Brasil como fundos de índice. Atrelados a determinados índices de referência, como o Ibovespa, os ETFs são negociados na bolsa de valores e foram criados para replicar a rentabilidade desses índices em um modelo de gestão passiva.

Do mesmo modo, os ETFs também estão no mercado de criptoativos. Assim, quem se interessa por bitcoins e outras criptomoedas precisa saber que há uma opção alternativa de investir e comprar criptomoedas: o ETF de criptomoedas.

No artigo de hoje, iremos explicar como funciona o ETF de criptomoedas, de modo a esclarecer as principais dúvidas a respeito deste ativo. Confira os tópicos que abordaremos:

  • Como funciona o ETF?
  • O que é ETF de criptomoedas?
  • Os ETFs de criptomoedas listados na bolsa
  • Qual a vantagem de investir em ETF de criptomoedas?
  • Quem deve investir em ETF de criptomoedas?

Como funciona o ETF?

Criado nos Estados Unidos em 1980, e lançado na década de 2000 no Brasil, o ETF é um fundo de investimento baseado em índices da bolsa de valores. Eles funcionam como cestas de investimento, na qual podem ser inseridos ativos diferentes, como as ações.

O objetivo dos ETFs é replicar o desempenho de determinado índice. Por exemplo, o ETF BOVA11, ligado ao Ibovespa, utiliza as ações que compõem esse índice. Dessa forma, se o Ibovespa sobre, o ETF é valorizado. Caso ele caia, o investidor terá prejuízos.

Como o ETF conta com uma gestão especializada, ele se tornou uma opção ideal para investidores iniciantes de perfil moderado, interessados em investir em um ativo de menor risco.

O que é ETF de criptomoedas?

Antes de mais nada, devemos lembrar que um índice pode ser composto por diversos ativos além das ações. O Índice Bovespa, principal índice da B3, é composto por uma carteira teórica com as principais ações negociadas no mercado do Brasil.

Como você viu, o ETF é um fundo de índice atrelado a outros índices existentes. Desse modo, o ETF de criptomoedas acompanha a mesma lógica. Ou seja, eles estão atrelados a índices que seguem as cotações das moedas digitais. Dentre os índices mais conhecidos, podemos citar:

  • Índice de contratos futuros de bitcoin da Chicago Mercantile Exchange (CME)
  • Nasdaq Crypto Index (NCI)
  • Índice S&P Bitcoin Index
  • S&P Ethereum Index
  • S&P Crypto Mega Cap Index

Assim como os ETFs comuns, o ETF de criptomoedas também é administrado por uma gestora especializada, em um modelo de gestão passiva. Dessa forma, eles são organizados para resultar em rendimentos iguais ou maiores que os índices de referência.

Além disso, as taxas de administração dos ETFs também são menores do que as de outros fundos.

ETF de criptomoedas: conheça os ativos listados na bolsa

Recentemente, a B3 passou a listar os ETFs de criptomoedas que reproduzem os índices lastreados nos ativos digitais. Saiba mais sobre eles:

HASH11

Na bolsa brasileira, o primeiro ativo negociado foi o HASH11 (Nasdaq Crypto Index Fundo de Índice), lançado em 2021 pela Hashdex. Este ETF replica o desempenho do índice Nasdaq Crypto Index (NCI), criado para refletir o movimento global do mercado de criptoativos.

No mesmo ano, o HASH11 recebeu a inclusão de mais criptomoedas na carteira, totalizando oito tipos. Veja quais são:

  • Bitcoin
  • Ethereum
  • Litecoin
  • Chainlink
  • Bitcoin Cash
  • Stellar Lumens
  • FilecoinUniswap

Atualmente, este ETF conta com R$ 1 bilhão de capitalização de mercado, com suas cotas negociando cerca de R$ 7 milhões por dia. Quem deseja comprar e vender o HASH11 pode fazê-lo através de uma corretora tradicional, autorizada para operar na bolsa de valores.

Tudo sobre LCI e LCA

Portanto, os interessados deverão criar uma conta em uma corretora na bolsa de valores. Em seguida, é necessário considerar o valor que pretende aportar: o recomendado é investir um percentual menor do patrimônio, por se tratar de um investimento de risco.

Feito isso, basta transferir os recursos que serão investidos, procurar o ticker HASH11 e enviar a ordem de compra.

Outros ativos

Além do HASH11, há também o QR CME Bitcoin (QBTC11), o primeiro ETF da América Latina totalmente voltado para o bitcoin. Gerido pela QR Asset Management, este fundo de índice se baseia no CME CF Bitcoin Reference Rate, o índice de contratos futuros de bitcoin da CME, principal bolsa de derivativos do mundo.

Ainda em 2021, chegaram mais dois tipos de ETF de criptomoedas na B3: o primeiro foi o QETH11 (QR CME CF Ether Reference Rate), que conta com 100% de exposição à moeda digital Ether, usada na plataforma de blockchain da Ethereum e segunda em maior valor de mercado. O índice seguido é o CME CF Ether Reference Rate.

Já o segundo é o Hashdex Nasdaq Bitcoin Reference Price Fundo de Índice (BITH11), totalmente focado em bitcoin. Seu diferencial foi ter sido o primeiro ETF verde do segmento — ou seja, ele replica o fundo Nasdaq Bitcoin Reference Price (NQBTC), que procura neutralizar as emissões de carbono da mineração do ativo.

O preço inicial de cada cota do BITH11 é de R$ 50, com taxa de administração de 1% ao ano.

Em resumo, os quatro ETFs de criptomoedas listados na B3 são:

  • HASH11, que replica o índice Nasdaq Crypto Index;
  • QBTC11, que replica o índice CME CF Bitcoin Reference Rate;
  • QETH11, que replica o índice CME CF Ether-Dollar Reference Rate;
  • BITH11, que replica o índice Nasdaq Bitcoin Reference Price.

Qual a vantagem de investir em ETF de criptomoedas?

Assim como os ETFs conhecidos, o ETF de criptomoedas tem a vantagem de ser um fundo acessível. Desse modo, iniciantes e pequenos investidores podem comprar moedas digitais de maneira simplificada, uma vez que a negociação é feita pela bolsa de valores.

Por isso, esse tipo de investimento não exige que o investidor opere em plataformas específicas de criptomoedas. É uma boa vantagem para quem ainda não sente segurança para lidar com tais instituições.

Além disso, o ETF de criptomoedas está atrelado a índices formados por cestas de ativos como o bitcoin, o ethereum e outros. Dessa forma, o investidor pode diversificar a sua carteira de investimentos e aproveitar a diversificação para atenuar os riscos. Outra vantagem da diversificação é que ela também aumenta o potencial de rentabilidade.

Quem deve investir em ETF de criptomoedas?

Embora qualquer pessoa interessada possa investir em ETF de criptomoedas, este ativo é uma excelente porta de entrada para investidores iniciantes no mercado de criptoativos. Como este fundo é negociado na bolsa de valores, há muito mais segurança para fazer operações com as moedas digitais.

Todavia, é importante que o investidor analise o tamanho da exposição. Isso porque o ETF de criptomoedas não é garantia de estabilidade e pode sofrer forte volatilidade. Portanto, a nossa dica é que a pessoa interessada em investir no ativo conheça bem o seu perfil de investidora.

Conclusão

Como você viu, embora o mercado de criptomoedas seja uma novidade para investidores, é possível pegar um atalho e se aventurar nesse universo por meio do ETF de criptomoedas. Embora se apresente como uma opção ideal para investidores iniciantes, não deixa de ser importante avaliar o seu perfil de investidor e conhecer bem o mercado.

Pensando nisso, preparamos um artigo completo que explica tudo o que você precisa saber sobre os ETFs antes de decidir investir no ativo. Não deixe de conferir!

Receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail

Não se preocupe, não enviamos spam.

Compartilhe