Calculadora de IR em Bolsa
TESTE GRÁTIS
Início » Renda Variável » Entenda o que é e como funciona a Bolsa de Valores

Entenda o que é e como funciona a Bolsa de Valores

A Bolsa de Valores não é um bicho de sete cabeças - e pode te ajudar a conquistar um futuro mais rico!

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 20/09/2020 às 9h00

Compartilhe

Entenda o que é e como funciona a Bolsa de Valores

Cansado de ter tantas dúvidas sobre a Bolsa de Valores? Para quem está começando, o assunto pode trazer muita insegurança, já que é cheio de especificidades e não parece muito acessível aos novos investidores. A B3 é mais simples do que parece, e depois de ler este artigo tenho certeza que vai concordar conosco. Mas também é fácil perder dinheiro, caso você se deixe levar pela empolgação e não domine a Bolsa de Valores. Preparado para entender, de uma vez por todas, como funciona a Bolsa de Valores? 

Continue lendo se quiser aprender:

  • o que é renda variável
  • o que é a Bolsa de Valores
  • história da Bolsa de Valores brasileira
  • como funciona a B3
  • horário de abertura e fechamento do pregão
  • o que é Ibovespa e outros índices da Bolsa
  • quais são os principais ativos negociados na Bolsa de Valores
  • porque a Bolsa oscila
  • quais são as principais Bolsas de Valores do mundo
  • vantagens e desvantagens da Bolsa de Valores 
  • como investir na B3

Ao final do texto, um bônus: te apresentaremos à uma ferramenta que vai facilitar, e muito, a sua jornada na Bolsa de Valores. Se interessou? Vem com a gente! 

O que é renda variável?

Os ativos negociados na Bolsa de Valores são ativos de renda variável. Mas o que isso significa? Renda variável é a modalidade de investimentos em que a rentabilidade não é conhecida previamente – é variável. Não há, como na renda fixa, taxa de rendimento que permita prever a lucratividade obtida ao final do prazo da aplicação. 

Na renda variável, os ativos estão sujeitos à volatilidade de mercado, e é por isso que muitas pessoas temem investir na Bolsa de Valores. O risco existe, realmente, mas é possível administrá-lo de maneira a minimizar os riscos. A renda variável, afinal, pode render lucros altos. 

Quais são os principais ativos de renda variável?

Entendeu o que é renda variável mas não consegue encontrar exemplos? Se você está lendo esse artigo sobre a Bolsa de Valores, já deve conhecer o principal representante da renda variável: o mercado de ações. Mas as ações não são as únicas! Os títulos de renda variável são títulos emitidos por empresas e instituições para captar recursos, principalmente de maneira privada. 

Alguns exemplos de ativos de renda variável são:

Se você quer entender mais sobre renda variável você pode ler o Guia da Renda Variável produzido pela Akeloo e aprender a investir na modalidade. Gostou da ideia? Clique aqui! 

O que é a Bolsa de Valores?

Com a queda da Selic, a taxa básica de juros que regula grande parte das aplicações de renda fixa, a Bolsa de Valores tem se tornado cada vez mais popular entre quem deseja abocanhar uma rentabilidade maior. Em 2019, o número de investidores da B3 chegou a 1 milhão e, em 2020 o número já ultrapassa 2,38 milhões. A popularidade tem um motivo: a Bolsa de Valores pode render lucros altos, com alta liquidez e praticidade – hoje, com a tecnologia, é possível investir com poucos cliques. Mas engana-se quem pensa que é fácil ganhar dinheiro na B3. Se você não entender o que é a Bolsa e como ela funciona, as chances de você, na verdade, perder dinheiro, são altas, principalmente se deixar levar pela empolgação ou tomar decisões emocionais. 

Entender o funcionamento da Bolsa é essencial, não só para os acionistas, mas para quem se interessa pelo mercado financeiro em geral. Mas o que é a Bolsa de Valores na prática? A Bolsa de Valores é um grande mercado de negociação de ativos de renda variável. É um ambiente onde é possível comprar e vender frações de empresas. Nesse ambiente, muitos ganham a vida, enquanto outra parcela o utiliza como somatório dos rendimentos salarial. É um ambiente regulamentado e seguro, com regras de negociação claras e transparentes. 

A Bolsa de Valores brasileira

A primeira iniciativa brasileira no mercado de capitais foi em 1890, com a Bolsa Livre (encerrada no ano seguinte). Antigamente, a Bolsa de Valores era presencial, e as negociações ocorriam ao vivo. É por isso, também, que os ativos são muitas vezes chamados de “papel”, já que é um costume linguístico que acompanha a história brasileira.

De lá para cá, várias Bolsas surgiram, até que em 2000 as Bolsas dos estados brasileiros resolveram se integrar. A partir deste ano, a Bovespa (inicialmente bolsa do estado de São Paulo) passou a ser responsável pela negociação de ações do Brasil. A Bovespa se funde também com a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), em 2008. Depois deste momento a BM&FBovespa, e, em 2017 se une à CETIP (Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos), se transformando na atual B3, a Bolsa de Valores brasileira. 

Como funciona a Bolsa de Valores?

A Bolsa é um ambiente de negociação de ativos que têm a tarefa de estabelecer as regras da negociação. A aplicação nos ativos negociados lá é realizada por meio de alguma intermediária financeira (corretoras) autorizada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), enquanto a Bolsa é responsável  por fazer a compensação, registro e atualização dos papéis dentro deste ambiente.

 A B3, Bolsa de Valores brasileira, também é responsável pela guarda segura de todas as negociações realizadas até a venda ou o resgate, na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia. Também funciona como agente de clearing, fazendo o gerenciamento dos riscos das operações. 

Na prática, a negociação funciona assim: 

  1. uma empresa ou instituição decide disponibilizar títulos na Bolsa para conseguir verba para projetos (esse processo é chamado de abertura de capital, ou IPO – Initial Public Offering);
  2. as corretoras oferecem esses produtos aos investidores inicialmente, chamado de mercado primário. Esse movimento dá início à um movimento de oferta e demanda;
  3. caso o investidor do mercado primário decida vender o produto e encontre um investidor secundário que compre o produto pelo mesmo preço, a negociação é fechada e o produto é vendido.

Essa negociação é feita de maneira tão rápida que há quem se beneficie das oscilações da Bolsa em instantes, como fazem os day traders. 

Horários de negociação da Bolsa de Valores

A Bolsa funciona diariamente, em horários de negociação definidos, os chamados horários de pregão. Em geral, o mercado abre às 09h45, o que é chamado de pré abertura, e fecha às 17h. Após às 17h, há o chamado after market, onde é possível cancelar ofertas feitas ou negociar até às 18h. Confira as demais regras nesta tabela elaborada pela B3 e entenda o que significa cada fase do pregão:

  • Pré-abertura: 

É como um leilão de abertura da Bolsa. Você pode enviar a ordem antes da abertura, mas o negócio só será efetivado na abertura do mercado. 

  • Call de fechamento:

O call de fechamento são os 5 minutos anteriores ao fim da negociação, e servem para receber intenções de compra e venda do ativo. É nesse momento que o preço do produto no momento do fechamento será determinado. 

  • After market: 

É o horário extra de negociação da Bovespa, permitindo negociações pós fim do pregão.

Índices da Bolsa 

Outro fator a ser considerado na hora de entender sobre a Bolsa de Valores são os índices de referência. Além de ser possível negociá-los, os índices são importantes porque funcionam como um termômetro da B3. Com eles, entendemos como vai o mercado financeiro e qual é o nível das oscilações. 

O índice mais importante é o Índice Bovespa, mais conhecido como Ibovespa ou Ibov. Ele é uma carteira teórica das principais ações negociadas na Bolsa. Mas ele não é o único. Outros, como o IBrX 100, IBrX50, SMLL e o IFIX também são importantes para serem analisados. 

Quais são os principais ativos negociados na Bolsa de Valores?

Além do mercado de ações, também são negociados na Bolsa de Valores:

  • ativos de renda fixa (sim!)
  • derivativos
  • mercado à vista
  • crédito imobiliário
  • financiamento de veículos

Por que a Bolsa oscila?

A Bolsa de Valores oscila basicamente por um movimento de oferta e demanda. Se há mais pessoas querendo comprar o ativo do que pessoas querendo vender, esse se valorizará. Já se há mais pessoas querendo vender do que comprar esse ativo, ele se desvaloriza. 

O pulo do gato é entender quais são os motivos por trás da vontade dos investidores de vender ou comprar um ativo. Fatores como a economia do país e movimentos externos podem ser os responsáveis, além de acontecimentos políticos. Outros fatores que podem influenciar a valorização e desvalorização dos ativos é a expectativa sobre a possibilidade de ganhos das empresas envolvidas. É o caso por exemplo do mercado de ações. Quando uma empresa vai bem, suas ações se valorizam. Entender isso é também entender quais são as melhores ações para comprar e vender. Para compreender a fundo as valorizações e desvalorizações das ações, há dois métodos de análise: a análise técnica e a fundamentalista.

É claro que essa explicação é apenas uma introdução, porque queremos que você entenda o fundamento por trás das oscilações da Bolsa de Valores. A saída, se você quer se prevenir do risco e acompanhar as flutuações com mais segurança é estudar e se manter atento e informado às notícias do mercado financeiro.

Quais são as principais Bolsas de Valores do mundo?

Conhecer as principais Bolsas de Valores do mundo é importantíssimo – elas podem afetar as cotações da B3 e podem ser úteis para você se adiantar nos resultados do próximo pregão. Saiba quais são:

  • NYSE (New York Stock Exchange) – EUA
  • NASDAQ – EUA
  • Toronto Stock Exchange – Canadá 
  • Euronext – Europa
  • London Stock Exchange – Inglaterra
  • Frankfurt Stock Exchange 
  • Tokyo Stock Exchange – Japão
  • Shanghai Stock Exchange – China
  • Hong Kong Stock Exchange – Hong Kong
  • Shenzhen Stock Exchange – China

Vantagens e desvantagens da Bolsa de Valores

Que bom que você chegou até aqui! Você já aprendeu com a Akeloo o que é e como funciona a Bolsa de Valores e quais são as principais Bolsas de Valores do mundo, mas será que investir na B3 é um bom negócio para você? 

Nenhum ativo financeiro é perfeito para todos. Entender se ele será vantajoso para você é uma questão de conhecimento – tanto sobre seus objetivos e quanto sobre investimentos. Antes de descobrir as vantagens e desvantagens da Bolsa de Valores, descubra qual é o seu perfil de investidor. 

Vantagens

  • Rentabilidade

A Bolsa de Valores é popular por possibilitar altas rentabilidades. Enquanto ativos de renda fixa chegam a render 2,25% ao mês e o CDI em 2019 acumulou 4,66%, o Ibovespa, principal indicador da B3 se valorizou 31,58%. 

  • Dividendos

É possível ganhar rendimentos mensais com os produtos envolvidos, como em ações e Fundos Imobiliários. 

  • Praticidade

É prático e rápido investir na Bolsa de Valores. Você só precisa ter acesso à uma corretora de valores e aplicar o montante desejado, diretamente no seu notebook. 

  • Possibilidades a longo prazo

Os ativos da Bolsa de Valores são boas possibilidades de diversificação e valorização a longo prazo. Dessa maneira, você não se preocupa muito com as oscilações – se tiver escolhido ativos sólidos, as flutuações da B3 não irão impactar significamente em seus resultados. 

Desvantagens

  • Risco

Investir na B3 é sim, arriscado, e se você não souber bem o que está fazendo, pode perder dinheiro velozmente. 

  • Necessidade de conhecimento

Investir na Bolsa de Valores pode ser prático, mas não é fácil, já que exige conhecimento, que deve ser buscado em fontes confiáveis (como o blog da Akeloo!). 

  • Possibilidade de ter que pagar Imposto de Renda mensal

Você pode ser taxado entre 15% a 20% sobre seus rendimentos e pode ter que calcular e pagar Imposto de Renda mensal. Para saber se é o seu caso, confira esse artigo. 

Como investir na Bolsa de Valores?

Está decidido a incluir a Bolsa de Valores em sua carteira de investimentos? Então abra uma conta em uma corretora, escolha os produtos mais adequados à você e aplique seu dinheiro. 

Não se esqueça de conferir as taxas e custos da corretora escolhida – avalie se eles são justos e se irão comprometer seu rendimento! Também se atente ao Imposto de Renda: os juros e multas podem ser pesados e o cálculo do imposto devido, complexo. 

Conclusão

A Bolsa de Valores pode ser um excelente negócio para você, mas antes de começar a investir é preciso entender como ela funciona. Esperamos que esse conteúdo tenha sido útil para você e que você tenha mais segurança agora para auferir mais ganhos na renda variável. Só não se esqueça do Imposto de Renda! A Akeloo está aqui para facilitar e otimizar os seus tributos. Se te resta alguma dúvida, não hesite em nos contatar em nosso perfil no Instagram. 

Guia completo sobre tributação em investimentos

Compartilhe