logo-akeloo-nelogica
CALCULADORA DE IR
Início » Mercado Financeiro » EBITDA: o que é e como calcular esse indicador

EBITDA: o que é e como calcular esse indicador

Comprar ou não comprar uma ação? A dúvida pode ser […]

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 29/07/2022 às 14h10

Compartilhe

EBITDA: o que é e como calcular esse indicador

Comprar ou não comprar uma ação? A dúvida pode ser quase filosófica. Quando adiciona um lote de papéis em sua carteira de investimentos, todo investidor está com um único horizonte em sua mente: o potencial de valorização dos ativos. E, para mensurar a capacidade de uma empresa em retornar lucros para os seus investidores a partir de suas ações, existe uma infinidade de índices financeiros — e, dentre os mais completos, está o EBITDA.

Se você está diariamente antenado no noticiário econômico, talvez já tenha lido em uma manchete qualquer: “O lucro da empresa caiu, mas EBITDA e receita cresceram”. E, ao se deparar com essa informação, pode ser que você tenha se perguntado: “Como o tal do EBITDA subiu, fazendo com que a empresa seja bem avaliada pelo mercado, se os seus lucros estão em baixa?”.

Isso se dá porque os lucros, sem sombra de dúvidas, são importantes — mas não são tudo. Existe um universo de outras variáveis que devem ser levadas em consideração para calcular o potencial de valorização dos ativos de uma companhia de capital aberto.

O que chamamos aqui de “potencial de valorização” nada mais é do que a capacidade de uma empresa listada em Bolsa de Valores em ser rentável aos seus acionistas — ou, em outras palavras, de ver os seus papéis subindo de preço, seja no curto, médio ou longo prazo, a depender da estratégia do investidor.

Balancetes, balanços patrimoniais e DREs (Demonstração de Resultado de Exercício) são excelentes bússolas para projetar a saúde financeira das empresas nas quais você pretende aplicar o seu dinheiro — no entanto, o índice EBITDA pode te oferecer um suporte ainda mais sólido, acrescentando em sua base de cálculo vários outros fatores que vão muito além do lucro líquido da companhia.

E aí, você acredita que o EBITDA pode ser útil em suas análises de mercado? Se a resposta for “sim”, a equipe Akeloo preparou mais um artigo que vai:

  • Definir em detalhes o índice EBITDA: o que é e para que serve;
  • Explicar outros conceitos que envolvem o índice — como EBITDA negativo e EBITDA ajustado;
  • Te ensinar a calcular o EBIT e o EBITDA a partir dos dados presentes nos balanços patrimoniais e DREs das empresas.

EBITDA: definindo as siglas e o conceito

EBITDA quer dizer, no original do inglês, “Earnings before interest, taxes, depreciation and armotization”. Traduzindo: “Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização” — ou seja, LAJIDA no português. Portanto, EBITDA e LAJIDA consistem no mesmo indicador financeiro.

O EBITDA é um índice utilizado para analisar os resultados de uma empresa em um recorte cronológico específico. O indicador engloba a quantidade de recursos que uma empresa gera em suas atividades fundamentais — sem colocar na conta os retornos com investimentos ou deduções de impostos.

O EBITDA certifica — em um exemplo imaginativo — se uma sorveteria está conseguindo liquidez a partir da venda de sorvetes, sua atividade principal. Isso serve para entender o potencial de geração de caixa da empresa e sua eficiência operacional. Se nossa sorveteria fictícia se sustenta em grande parte a partir de investimentos externos, pode até ser que ela seja capaz de lançar lucros significativos em seus demonstrativos — entretanto, sem contar com a eficiência operacional que citamos anteriormente.

Esse indicador informa, além do mais, os ganhos da empresa antes de serem levados em conta o seu resultado financeiro, os impostos, a depreciação e a amortização, ratificando a geração de caixa operacional da empresa.

Afinal de contas, um achatamento no lucro líquido final não significa necessariamente que existam problemas estruturais na empresa — pode ser o reflexo de uma carga tributária pesada, por exemplo. 

Ter essa dimensão é essencial para que o investidor possa estruturar suas análises fundamentalistas com mais segurança e sobriedade.

Apesar de não ser obrigatório por força de legislação que o EBITDA esteja presente no DRE das empresas, este indicador normalmente é divulgado pelas companhias de maneira espontânea na hora de prestar contas aos seus acionistas.

EBITDA: usos e aplicações

O EBITDA é usualmente empregado para mensurar o desempenho de empresas de capital aberto — ou seja, com ações em circulação no mercado financeiro. 

O crescimento deste índice permite que os investidores interessados em adquirir papéis no mercado acionário constatem quais companhias de um mesmo setor são mais eficazes — e, por consequência, com mais probabilidade de retornar lucros para os seus acionistas.

Essa análise pode ser crucial naqueles momentos onde o investidor se vê na iminência de decidir entre comprar as ações de uma empresa ou de outra. Este assunto tem tudo a ver com um outro artigo que publicamos recentemente em nosso blog sobre custo de oportunidade — caso o conteúdo também seja do seu interesse, confira aqui!

Aliado a outros norteadores, o EBITDA pode atestar se a capacidade financeira de um negócio é o bastante para arcar com custos e despesas previstos. Para além dos investimentos em renda variável, ele também pode ser primordial para que empreendedores alinhem as políticas financeiras de suas empresas — visando conservar uma liquidez satisfatória — e monitorem a eficácia das estratégias de negócio empregadas até então.

Pense em uma empresa atolada em dívidas, por exemplo. Os encargos pagos por companhias endividadas podem camuflar um excelente potencial de lucratividade — revelado no EBITDA. Com outras palavras, uma empresa com resultados finais ruins no balanço patrimonial em função de suas dívidas pode ter um elevado potencial de rentabilidade para o futuro — com a casa arrumada e com as contas em dia.

Outra razão que leva os investidores até o índice EBITDA é para contrastar empresas de países diferentes — por definição, com regimes de tributação diferentes. Afinal de contas, uma determinada empresa pode ser extremamente promissora e, mesmo assim, ter os seus ganhos líquidos impactados de maneira negativa por taxas de juros elevadas praticadas no país em questão.

EBITDA negativo

É possível que, em algum momento, você se depare com um EBITDA negativo. E, mesmo imersa nessa situação, uma companhia pode manter uma rentabilidade estável — uma vez que, para se manter rentável, uma empresa não depende somente de seus lucros operacionais. 

Os investimentos, a título de exemplo, também entram nas métricas de rentabilidade. Como o EBITDA retira os investimentos no mercado financeiro de sua equação, pode ser que uma empresa tenha o EBITDA negativo e continue a lançar ganhos em seus balanços periódicos. No longo prazo, contudo, essa é uma bolha que estoura, tornando a administração do cenário insustentável.

EBITDA ajustado

Por não ser obrigatório no relatório de prestação de contas aos investidores, o EBITDA pode ser mensurado de outras formas pelas empresas, retirando alguns itens da somatória. Isso é autorizado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) — contanto que as companhias apontem que se trata de um EBITDA ajustado.

Calculando o EBITDA

O cálculo do EBITDA se dá, sobretudo, por meio de uma fórmula. Segue abaixo:

EBITDA = Lucro operacional líquido + depreciações + amortizações

A depreciação contempla o envelhecimento de maquinário ou a desvalorização de um imóvel comercial, por exemplo. Já a amortização, por sua vez, consiste na perda de valor de um ativo intangível — como a patente de uma tecnologia que tem data prevista para ser encerrada —, por exemplo.

Ficam de fora do cálculo do EBITDA os juros, que abrangem as despesas da empresa com juros de empréstimos ou as receitas de aplicações financeiras — ou seja, o Resultado Financeiro da companhia — e os impostos, que representam os gastos com taxas e tributos.

Caso o demonstrativo que você tiver em mãos não apresente o lucro operacional líquido — também conhecido como EBIT — você deve calcular esse valor manualmente e depois adicioná-lo na equação que demonstramos acima.

Para descobrir o EBIT partindo dos dados que constam no Demonstrativo de Resultados de Exercício das companhias, a fórmula é a seguinte:

Lucro operacional líquido (EBIT) = Receita líquida de vendas – custos dos produtos vendidos – despesas operacionais

Calculando o EBITDA na prática

E que tal um exercício prático para fixar, de fato, o conteúdo? Vamos lá, imagine uma empresa com as seguinte informações em seu DRE (os números estão em milhões de R$):

  • Receita Líquida: 70
  • Custos dos produtos vendidos: 20
  • Despesas operacionais: 5
  • Depreciação e Amortização: 40

Com esses dados disponíveis, você conseguiria calcular o EBITDA sozinho? 

Caso não consiga, não tem problema. A Akeloo está aqui para demonstrar o passo a passo de como incluir cada valor nas equações do EBIT e do EBITDA.

Antes de tudo, é necessário descobrir o valor do EBIT — o lucro líquido operacional. E, aplicando a fórmula:

+ 70 – Receita Líquida;

– 20 – Custos de produtos vendidos;

– 5 – Despesas operacionais;

= 45 – EBIT

E agora, com o EBIT no papel, você pode calcular o EBITDA da empresa. Aplicando a fórmula:

+ 45 – Lucro Líquido (EBIT);

+ 40 – Depreciação e Amortização;

= 85 – EBITDA

Desta forma, o índice EBITDA de nossa empresa hipotética ficou em R$ 85.000.000.

E o que fica de fora do cálculo do EBITDA?

Como mencionamos anteriormente, o rendimento dos investimentos não entra na conta do EBITDA. Empréstimos para custear capital de giro, realizar investimentos, entre outras aplicações, também são deixados de fora da fórmula — mesmo que façam parte do resultado final da empresa.

Além dos investimentos no mercado financeiro, os impostos — isto é, despesas da companhia com tributos e taxas — também são desconsiderados na hora de computar o EBITDA.

Isso acontece porque é indispensável que as empresas e os investidores tenham a informação de como a operação, de fato, está se saindo no que diz respeito às atividades fundamentais do negócio.

Conclusão

Você com certeza já leu em outros de nossos artigos e não custa nada reforçar: os lucros no mercado financeiro não caem do céu. Para conquistar seus ganhos, você deve antes estar embasado em estratégias consistentes de operação de mercado — o que inevitavelmente envolve analisar índices, como o EBITDA.

Aqui na Akeloo nós estamos sempre produzindo conteúdos atualizados para abastecer o seu repertório sobre mercado financeiro. Ainda não conhece a nossa biblioteca? Lá você encontra resumos de livros — mas sem perder a profundidade do assunto — que versam sobre as mais variadas estratégias de investimentos. Nós temos certeza que vai te interessar — acesse clicando aqui!

E, por falar em conteúdos, você já ouviu falar do nosso eBook com tudo sobre Imposto de Renda sobre investimentos? Se você aplica em renda fixa ou variável e ainda acaba se enrolando com as regras do IRPF, não perca tempo! Acesse aqui — o material é totalmente gratuito.

Receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail

Não se preocupe, não enviamos spam.

Compartilhe