Calculadora de IR em Bolsa
CALCULADORA DE IR
Início » Mercado Financeiro » Dólar no cartão de crédito: saiba como funciona

Dólar no cartão de crédito: saiba como funciona

Considerar apenas a cotação do dólar no dia da compra através do cartão de crédito é perigoso e pode afetar ainda mais o seu bolso. Entenda como se prevenir ou até mesmo acabar com essas taxas!

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 8/12/2020 às 17h00

Compartilhe

Dólar no cartão de crédito: saiba como funciona

Com o dólar cada vez mais alto, o consumidor precisa estar ainda mais atento para evitar gastos desnecessários com compras usando com a moeda norte-americana no cartão de crédito. 

O dólar cobrado nas compras internacionais não é igual para todos os bancos, já que o Brasil é um país que possui um mercado de câmbio livre. Isso significa que as cotações são alteradas de acordo com a oferta e demanda pela moeda no mercado nacional. 

COE - certificado de ações estruturadas

Além disso, existem outras taxas que incidem sobre os valores finais, também cobradas de forma individual em cada instituição financeira. 

Para te ajudar a se prevenir dessas taxas e ter mais previsibilidade sobre o valor final a ser pago, vamos responder algumas perguntas frequentes dos consumidores ao longo deste texto, como: 

  • como os bancos calculam o valor final do dólar no cartão de crédito?
  • existe regra para cobrar o dólar no cartão de crédito? 
  • o que é a taxa Ptax?
  • vale a pena usar o cartão de crédito para comprar em dólar?
  • como essa compra pode afetar meu bolso?

Como os bancos calculam o valor final do dólar no cartão de crédito?

Ao realizar uma compra em dólar ou em qualquer moeda estrangeira, as instituições financeiras utilizam o valor da transação para calcular o IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras). 

Atualmente, a alíquota do IOF é de 6,38%, cobrada sobre o valor das compras feitas no exterior. O valor do IOF é somado ao valor da compra em si. 

Na hora de converter o valor final (que consiste no valor da compra + o valor do IOF) em dólar para o real na fatura do cartão de crédito, os bancos usam como base o valor do dólar Ptax, uma taxa de câmbio oficial calculada pelo Banco Central do Brasil. 

A partir do valor convertido usando o indicador da Ptax (que pode ser do dia corrente ou do dia anterior, dependendo de cada instituição), é adicionada uma sobretaxa (também chamada de ágio ou spread) que varia de 0% a 7% para chegar no valor final do dólar cobrado na fatura. 

De acordo com os bancos, essa sobretaxa é cobrada para cobrir os custos operacionais dessas transações cambiais realizadas pelo consumidor.

Muitas cobranças, né? É por isso que muitos consumidores são surpreendidos no final do mês, quando a fatura chega. 

Existe regra para cobrar o dólar no cartão de crédito? 

Infelizmente, não. Por não haver regulamentação, cada instituição financeira é livre para cobrar o dólar no cartão de crédito de uma forma diferente. 

Enquanto há bancos que não cobram sobretaxa, há instituições que chegam a cobrar até 7% sobre o valor da cotação

Para identificar a metodologia de cobrança de cada banco é preciso analisar as cotações dos últimos dias e comparar com o valor da Ptax definida pelo Banco Central nas mesmas datas. 

Apesar de o Banco Central exigir que esses valores, juntamente com o método de cálculo, sejam informados ao cliente, várias instituições não são transparentes em relação ao cálculo do dólar cobrado dos consumidores. 

Mas, afinal, o que é a taxa Ptax? 

Em resumo, a Ptax é uma taxa usada para calcular, em reais, o preço dos gastos internacionais. 

Ela não é obrigatória, então cada banco é livre para decidir qual taxa de câmbio usar. Contudo, a maioria das instituições financeiras optam por usá-la como referência. 

Ela é calculada diariamente pelo Banco Central com base na média das taxas de compra e venda realizadas pelos bancos brasileiros no dia. 

Isso significa que a Ptax está diretamente ligada às oscilações do dólar; quando ele passa por um dia de alta, ela também aumenta, e vice-versa. 

A Ptax de compra e a Ptax de venda

É importante ressaltar que existem duas taxas Ptax diferentes: a de compra e a de venda. 

Quando você realiza compras ou faz saques em dólar utilizando o cartão de crédito , é cobrada a Ptax Venda. É como se a instituição estivesse vendendo a moeda para o cliente. 

Já a Ptax Compra é cobrada apenas para as instituições; é o preço que os bancos pagam para comprar a moeda que será ofertada aos clientes. 

Vale à pena usar o cartão de crédito para comprar em dólar? 

Apesar de ser a opção mais cômoda, principalmente quando o consumidor viaja para o exterior, o uso do cartão de crédito não é a opção mais barata. 

Os dois motivos principais que comprovam isso são: 

  • O valor da alíquota do IOF. Enquanto para as compras nos cartão de crédito ela é de 6,38%, para a compra de papel moeda ela é de apenas 1,1% — muito mais em conta. 
  • O valor das sobretaxas. Como vimos neste texto, podem incidir até 7% a mais de taxas sobre o valor da compra, já somada ao IOF. Ao comprar dinheiro em espécie, essa taxa não é cobrada. 

Apesar de o dólar calculado através da Ptax ser mais em conta que o dólar turismo, essas duas taxas, utilizadas como referência pelas casas de câmbio, superam facilmente essa diferença. 

Por outro lado, pode ser que você tenha um bom cartão de crédito, que acumula milhas e oferece benefícios de viagem e descontos. Pode até ser que a instituição não cobre ágio (ou cobre uma porcentagem pequena)! Nesse caso, o valor final pode ficar tão competitivo quanto comprar dinheiro em espécie — porém muito mais prático. 

De qualquer forma, é importante fazer as contas antes de se decidir para não ter surpresas no final e acabar se endividando. 

Como essa compra pode afetar meu bolso? 

Agora que você já sabe sobre como o dólar é cobrado pelas instituições financeiras no seu cartão de crédito, as chances de ter surpresas ao receber a fatura são menores! 

Contudo, muitos consumidores ainda não sabem sobre todas essas particularidades e acabam pagando valores muito maiores que o esperado. 

Aqui vai um exemplo: como a sobretaxa cobrada por cada instituição pode variar de 0% a 7%, em uma fatura de US$ 2.000, após a conversão (se considerarmos o valor de cotação de R$ 5,22, média do ano de 2020) e o acréscimo da sobretaxa, a diferença poderia chegar a R$ 700 de um banco para o outro. 

Assim, essa cotação pode fazer uma enorme diferença no final do mês se o consumidor usa frequentemente o cartão de crédito para comprar em dólar. 

Conclusão  

Como pudemos perceber, comprar dólar no cartão de crédito pode ser um problema para o consumidor que não está por dentro das regras de cotação e conversão para o real. 

Já que cada instituição financeira pode estipular suas próprias regras para essa cobrança, é importante avaliar e procurar saber melhor sobre os valores estipulados pelos bancos em que você possui conta. 

Uma alternativa para fugir dessas cobranças é usar, no caso de viagens internacionais, dinheiro em espécie; mas essa opção é menos prática. 

Neste texto você obteve respostas para algumas perguntas frequentes sobre dólar no cartão de crédito, além de saber mais sobre cada uma das taxas que são cobradas pelas instituições financeiras.  Para ter acesso a mais dicas que vão te ajudar a não cair em furadas financeiras, nos siga no Instagram e acompanhe a Akeloo para não perder nada!

Modelo de precificações

Receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail

Não se preocupe, não enviamos spam.

Compartilhe