Calculadora de IR em Bolsa
TESTE GRÁTIS
Início » Imposto de Renda » Como calcular o preço médio de uma ação: passo a passo

Como calcular o preço médio de uma ação: passo a passo

Determinar o preço médio das ações é importantíssimo para sua estratégia de investimentos. Descubra como fazer o cálculo!

Por Equipe Akeloo

Publicado em: 27/10/2020 às 17h00

Compartilhe

Como calcular o preço médio de uma ação: passo a passo

Você, investidor ou futuro investidor que chegou até esse post, já deve conhecer de alguma forma os principais cálculos do mercado financeiro. Uma das dúvidas mais recorrentes que recebemos aqui na Akeloo é como calcular o preço médio de uma ação. É uma conta que  a primeira vista pode parecer simples, muitas vezes pode conter “pegadinhas” que podem pegar até os investidores mais experientes na área de exatas, e nos atrapalhar totalmente nos cálculos envolvendo nossas ações e demais ativos.

Mas calma! Isso acaba aqui. 

Neste conteúdo vamos esclarecer tudo sobre: 

  • o que é preço médio na renda variável;
  • como calcular o preço médio;
  • como incluir custos no cálculo;
  • os três erros mais comuns no cálculo de preço médio;
  • dicas para facilitar o cálculo do preço médio.

Vamos lá? 

O que é preço médio na renda variável?

A primeira coisa que precisamos pontuar é qual a funcionalidade do preço médio no mercado de renda variável.

Este é um conceito simples e que não precisamos complicar.

O preço médio é a média do preço de compra ou de venda dos ativos que estamos negociando.

Este preço médio poderá ocorrer tanto em uma operação específica, quanto em uma posição em aberto de um mesmo ativo.

Vamos dar um exemplo para ficar mais prático:

Se você comprar 100 ações da Petrobrás por R$3000, o seu preço médio é simplesmente calculado pela divisão do total pago pela quantidade de ações.

R$3000 / 100 ações = R$30 por ação

Logo, seu preço médio por cada ação da Petrobrás será de R$30.

Fácil, certo?

Este é o conceito inicial para quem está aprendendo agora, mas a seguir veremos alguns conceitos importantes para se calcular o preço médio. Continue a leitura pois vamos abordar logo em seguida.

Como calcular o preço médio de ações, opções, ETF’s e FII’s

Algo que é importante sempre lembrar ao calcular o preço médio de uma ação é que, no mercado de renda variável, a média utilizada no preço não é aquele cálculo já muito conhecido da média simples, mas sim a média ponderada.

Nosso exemplo anterior foi simples, apenas uma compra. Mas digamos que no dia seguinte o preço das ações da Petrobrás caiu e você, investidor inteligente, deseja comprar mais ações para aproveitar a oportunidade.

Então você compra mais 100 ações com o preço médio de R$20 por ação. 

A conta é simples, certo?
Podemos utilizar até a média simples aqui.

Tinha 100 ações com preço de R$30.
Comprou mais 100 com preço de R$20.
Calculando a média na famosa “conta de padaria” nós temos 200 ações com o preço de R$25.

Excelente, está certo! 

Com a mesma quantidade e com preços redondos realmente é bem simples e não teremos muito trabalho. Mas sabemos que não é assim na vida real.

Agora você tem 200 ações ao preço médio de R$25 e, no dia seguinte, você quer comprar ainda mais ações no preço que for para aumentar sua posição.

Então você decide comprar mais 450 ações ao preço médio de 22,86. Agora fica difícil fazer a conta de padaria, não é mesmo?
A média simples não funcionará neste caso.

Para isso utilizamos a média ponderada. Não é complexo e conseguimos fazer rapidamente. 

Para calcular a média ponderada, utilizaremos a fórmula: 

((preço1 x quantidade1) + (preço2 x quantidade2) + … + (preçoN x quantidadeN)) / (soma quantidades)

Ok, sabemos que às vezes pode ficar confuso utilizando fórmulas, por isso para deixar bem claro vamos utilizar nossos exemplos acima para utilizar a fórmula.

Anteriormente fizemos as seguintes operações com Petrobrás:

  • compra de 100 ações a R$30;
  • compra de 100 ações a R$20;
  • compra de 450 ações a R$22,86;

Na fórmula de média ponderada para encontrar o preço médio da nossa posição, teremos o seguinte:

((100 x 20) + (100 x 30) + (450 x 22,86)) / (100+100+450)

Como resultado, chegamos ao valor de 23,52. Ou seja, temos um total de 650 ações com um preço médio de R$23,52.

Este é o cálculo padrão utilizado para preço médio na renda variável e será o suficiente para resolver a maioria dos casos. 

Mas é claro, este é apenas o conceito do cálculo. Você pode utilizar apenas esta parte do cálculo em suas apurações? Claro!

Porém você provavelmente vai perder dinheiro a longo prazo, pois temos uma parte muito importante para acrescentar (ou retirar) do preço médio que pode fazer muita diferença. Por isso, vamos para o próximo tópico.

Como incluir os custos no preço médio

Algumas pessoas não costumam incluir os custos no preço médio pois, muitas vezes, acreditam que por se tratar de valores pequenos, como centavos ou pequenos reais, isso não vai fazer tanta diferença e na maioria das vezes querem evitar o trabalho.

Porém se colocarem estes valores na conta a longo prazo, verão que os custos das operações fazem uma diferença significativa.

Sabemos que adicionar mais um fator ao cálculo pode deixar essa tarefa ainda mais trabalhosa, mas se reparar a seguir, verá que não é tão complexo quanto parece.

Existem algumas formas de fazer este cálculo, mas vamos mostrar aqui a forma que acreditamos ser mais simples para se fazer no momento em que se calcula o preço médio pela primeira vez, para evitar fazer muitos cálculos.

Vamos relembrar nosso exemplo anterior e adicionar os custos das operações: 

  • compra de 100 ações a R$30 , corretagem de R$10 e custos da B3 de R$4;
  • compra de 100 ações a R$20 , corretagem de R$10 e custos da B3 de R$2,10;
  • compra de 450 ações a R$22,86 , corretagem de R$5 e custos da B3 de R$6,50;

A forma mais rápida de inserir os custos no cálculo é somando todos os custos, dividir pela quantidade e retirar ou adicionar no preço médio final.

Os custos devem ser adicionados no preço médio se estivermos calculando o preço médio de compra, e devem ser retirados do preço médio se estivermos calculando o preço médio de venda. 

Em nosso exemplo utilizamos operações de compra e chegamos em 650 ações com preço médio de R$23,52.

Se somarmos todos os custos das operações, teremos um total de R$37,60.

Agora precisamos dividir o custo total pela quantidade total de ações, para sabermos qual foi o nosso custo por cada ação.

Fazendo R$37,60 / 650 teremos um custo por ação de R$0,06. Ou seja, nosso custo por cada ação foi de 6 centavos. 

Agora é só somar este valor com o preço médio de compra anterior de R$23,52 , totalizando um preço médio final de R$23,58.

Outra forma de fazer isso seria calcular o preço médio de cada operação antes de calcular o preço médio total. Então a primeira compra a R$30, a segunda compra a R$20 e a terceira compra a R$22,86 poderiam ter seus preços reajustados com o custo por ação, onde a lógica de conta é a mesma, porém utilizando a quantidade de cada compra. 

Essa segunda forma é ideal para quem utiliza planilhas de excel, pois permite ajustar cada operação separadamente com seus custos. No final, tendo como base nosso exemplo, a diferença entre adicionar ou não adicionar os custos no cálculo continuará de 6 centavos.

Claro que 6 centavos é pouca coisa, mas imagine este valor multiplicado por 100, 1.000 ou 10.000 ações. Imagine este valor não sendo calculado a longo prazo, durante 5 ou 10 anos em diversas operações. A conta fica muito grande! 

Por isso, não deixe os custos de fora do seu preço médio. Garantimos que seu bolso não vai se arrepender.

Os três erros mais comuns no cálculo de preço médio

Certo, já sabemos como calcular o preço médio. Então encerra por aqui e não temos mais nada para nos preocupar, correto?

Calma aí.

A Receita Federal tem uma série de regras que, se não bem interpretadas ou caso as desconheça, você pode acabar fazendo conta errada com seus ativos.

Separamos nesta seção os três principais erros que investidores cometem no momento de calcular o preço médio e que estão ligados tanto à interpretação das regras, quanto à não otimizar ao máximo seus cálculos para chegar a um resultado mais interessante para seu bolso.

A última delas é a mais comum, e você pode já ter cometido este erro e nem sabe que o fez!

Considerar operações de venda no preço médio de compra e vice-versa

É mais comum do que parece os casos em que investidores utilizam das operações de venda para calcular o preço médio de uma ação de compra, e o contrário também.

E para quem está começando é compreensível esta dúvida pois o cálculo de preço médio, por mais simples que pareça para quem já se acostumou, no início pode ser bem confuso.

Vamos usar do nosso já conhecido exemplo aqui para ficar mais claro:

Imagine que você fez as seguintes operações: 

  • compra de 100 ações a R$30 no dia 03/05/2020;
  • compra de 100 ações a R$20 no dia 04/05/2020;
  • compra de 450 ações a R$22,86 no dia 05/05/2020;
  • venda de 50 ações a R$28 no dia 06/05/2020;

Como falamos anteriormente, em nossas operações de compra havíamos ficado com 650 ações com preço médio de R$23,58.

Aqui temos uma operação a mais, uma operação de venda. A questão é: essa operação de venda deve abater ou mudar alguma coisa no último preço médio calculado?

A resposta é: não, o preço médio é calculado apenas com operações de compra ou apenas com operações de venda do mesmo ativo, nunca podemos misturar ambas as operações. 

Então no nosso exemplo, depois da operação de venda, ficaríamos com 600 ações com o mesmo preço médio de R$23,58.

Não manter um controle mensal de suas operações

Investidores que operam pequeno costumam não manter muito controle de suas operações. De fato isso pode não lhe trazer nenhum problema a longo prazo, imaginando que você sempre opera dentro da isenção mensal , não se compromete com muitos ativos diferentes e praticamente nunca paga imposto.

Mas nós investidores estamos nessa jornada para crescer, certo? 

Isso quer dizer que a tendência de nossa carteira é ficar cada vez maior, e consequentemente em algum momento teremos o suficiente para não ter como fugir de pagar imposto mensalmente, o que é ótimo, pois quer dizer que estaremos fazendo vendas maiores que R$20.000 no mês e pagando imposto sobre nosso lucro. 

Então me diga: vai esperar chegar até lá para criar o hábito de manter uma rotina de controle mensal? 

Porque esperar ficar grande se você já pode começar hoje? E não estou falando de já contratar plataformas caras ou gastar dinheiro que você não gasta hoje.

Faça uma planilha de excel, anote em um local organizado que vai conseguir visualizar bem depois. Existem opções interessantes e sem custo para organizar seus investimentos e fazer o controle mensal. 

É essencial começar desde agora. O seu eu futuro vai te agradecer por isso! 

Logo mais daremos algumas dicas de como facilitar todo esse processo de controle mensal e organização de seus investimentos.

Misturar operações swing trade e day trade

Este erro eu vejo frequentemente quando lido com investidores tentando calcular o preço médio de uma ação. É comum em investidores iniciantes e até mesmo em quem já tem algum tempo de experiência. 

Anteriormente falamos aqui a seguinte frase: “o preço médio é calculado apenas com operações de compra ou apenas com operações de venda do mesmo ativo”.

Porém existe um um caso que foge desta regra mencionada acima: operações de compra ou operações de venda day trade e swing trade com o mesmo ativo.

Isso quer dizer que ao fazer uma operação day trade com um ativo que você já tinha em carteira, a operação de day trade não deve ser misturada com a operação swing trade.

Vamos melhorar a visualização com um exemplo, e usaremos o mesmo exemplo que já usamos anteriormente:

  • compra de 100 ações a R$30 no dia 03/05/2020;
  • compra de 100 ações a R$20 no dia 04/05/2020;
  • compra de 450 ações a R$22,86 no dia 05/05/2020;
  • venda de 50 ações a R$28 no dia 05/05/2020;

Perceba que fizemos uma pequena mudança no exemplo. No dia 05/05/2020 temos uma operação que se divide em dois tipos: 400 ações como swing trade e 50 ações como day trade. 

Ao contrário do que falamos na parte de que operações de venda swing trade não devem impactar o preço médio, aqui neste caso há sim a influência da venda, pois ela foi a responsável por caracterizar o day trade. 

Então a conta a se fazer de preço médio das operações é:

  • compra swing trade: 100 ações a R$30, 100 ações a R$20 e 400 ações a R$22,86;
  • compra day trade: 50 ações a R$22,86;

Por isso fique sempre atento à isso: preço médio deve ser feito com o mesmo ativo, em um mesmo sentido de operação (compra ou venda) e no mesmo tipo de operação (swing trade ou day trade). 

Dicas para aprender como calcular o preço médio de uma ação

Agora que já aprendemos como calcular o preço médio de uma ação  e já identificamos os principais erros com preço médio durante o controle de seus investimentos, está na hora de conhecermos algumas facilidades para lidar com essa atividade.

A maioria de nós investidores tem pouco tempo para dedicar à este tipo de atividade durante nosso dia, por isso a importância de recursos que nos ajude a otimizar nosso controle e apuração dos investimentos. 

Uma forma muito comum, principalmente entre os iniciantes e que gostam de fazer suas próprias coisas, é utilizar de planilhas de excel. 

Existem planilhas prontas que se pode comprar. Mas se você tem habilidade no excel e gosta de criar fórmulas e tabelas, pode reunir informações de como se calcula o imposto e fazer sua própria planilha.

Já é um começo para se organizar. Porém conta com a desvantagem de ser trabalhoso e você precisa estudar muito sobre as regras e como se fazem os cálculos para não ter erro.

Outra dica é contratar pessoas que possam fazer isso, como um contador um ou especialista da área. 

O preço de profissionais dessa área não são dos mais baratos, principalmente pois entre os contadores são poucos os que têm experiência em trabalhar com tributação mensal de renda variável.

Por fim nossa principal recomendação é contratar ferramentas online que fazem este tipo de trabalho todo automaticamente.

As duas principais vantagens desta opção é que o preço é mais interessante do que contratar um contador ou uma empresa de contabilidade, e é mais simples e rápido do que montar diversas planilhas com cálculos trabalhosos de se fazer.

Existem algumas opções hoje na internet, cada uma com detalhes específicos e funcionalidades diferentes, mas todas com o mesmo fim de calcular seu imposto. 

No momento de decidir qual escolher, recomendamos observar principalmente a exatidão dos cálculos e a forma que a plataforma tenta otimizar os cálculos, utilizando de todos os recursos possíveis para que seu imposto seja o menor possível. 

Aqui na Akeloo temos nossa Calculadora de Imposto de Renda e nosso maior objetivo é entregar cálculos precisos, otimização de resultado e facilidade no momento de calcular seus impostos, tudo isso por um preço muito acessível para qualquer investidor, desde o investidor que opera pouco por mês, até day traders que tem um alto volume de operações. Com nossa plataforma, você conseguirá calcular o preço médio de cada ação de uma maneira prática, rápida e precisa. 

Modelo de precificações

Mas acima de tudo, não deixe de ter cuidado com seus investimentos. Isso será imprescindível para se tornar um grande investidor!

Receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail

Não se preocupe, não enviamos spam.

Compartilhe